Suspeitos negam tentativa de atentados em Londres e Glasgow

Médicos são acusados de participar de plano para cometer assassinatos e explosões em 2007

Agência Estado e Associated Press,

20 de junho de 2008 | 13h53

Dois médicos negaram nesta sexta-feira, 20, que tenham planejado a explosão de carros-bomba em Londres e Glasgow em 2007. Bilal Abdullah e Mohammad Asha alegaram inocência das acusações de conspirar para cometer assassinatos e explosões. A polícia prendeu o iraquiano Abdullah, de 28 anos, e o iraniano Asha, de 27, após uma desastrada tentativa feita por uma terceira pessoa de dirigir um jipe em chamas no Aeroporto de Glasgow, no dia 30 de junho. O motorista morreu por causa do fogo. Abdullah foi preso no local e a polícia alega que ele era um passageiro. Asha foi preso no dia seguinte. No dia 29 de junho, a polícia encontrou dois carros cheios de explosivos em Londres. Os dois suspeitos foram ouvidos da prisão, por meio de uma videoconferência, na Corte Criminal Central. O julgamento deles deve começar em outubro.

Mais conteúdo sobre:
Reino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.