Taxa de natalidade alemã cai para recorde de baixa do pós-guerra

O número de nascimentos na Alemanha caiu para um recorde de baixa do pós-guerra no ano passado, apesar do investimento de bilhões de euros do governo em incentivos para contrabalançar a população em declínio do país.

ERIK KIRSCHBAUM, REUTERS

12 de novembro de 2010 | 16h49

A Alemanha tem 82 milhões de habitantes, mas as baixas taxas de natalidade significam que as idades médias estão subindo, dificultando o desenvolvimento da maior economia da Europa.

A onda de imigração que alimentou a expansão econômica pós-Segunda Guerra Mundial também foi revertida com novos controles sobre a imigração.

O Gabinete Federal de Estatísticas em Wiesbaden relatou que em 2009 nasceram 665.126 crianças - uma queda em relação a 2008, quando nasceram 682.514. A taxa de nascimentos anuais caiu mais de 100 mil por ano na última década, dos 770.774 nascimentos registrados em 1999.

Um funcionário do gabinete de estatísticas disse que o número de 2009 era o menor número de nascimentos na Alemanha desde 1945, quando nasceram 520 mil crianças.

A Alemanha tem uma das menores taxas de natalidade da Europa.

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHATAXADENATALIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.