Tempestade causa naufrágio de quatro navios russos

Incidentes acontecem entre sábado e domingo, no estreito de Kerch; não há informações de vítimas

Efe,

11 de novembro de 2007 | 12h49

Uma forte tempestade causou o naufrágio de quatro navios russos entre sábado e este domingo, 11, no estreito de Kerch, que liga o Mar Negro e o Mar de Azov, informou o Ministério para Situações de Emergência russo. "Por volta de 13h30 (8h30 de Brasília), como resultado da tempestade no estreito de Kerch, quatro navios russos naufragaram", disse o porta-voz do ministério, Viktor Beltsov, citado pela agência oficial russa Itar-Tass. O naufrágio de um deles, o petroleiro Volga-Neft, com 4 mil toneladas de óleo em seus tanques, causou o vazamento de 2 mil toneladas de combustível no mar. A embarcação se partiu em duas na enseada do porto de Kavkaz por volta de 11h45 de sábado. Cerca de seis horas depois, foi a vez do navio Volnogorsk, que transportava 2 mil toneladas de enxofre. Em seguida, as autoridades portuárias comunicaram o naufrágio do Nakhchivan, que também carregava enxofre, e informaram que a tripulação de um quarto navio, o Kovel, estava tentando impedir que a embarcação afundasse. As autoridades russas não relataram vítimas nos acidentes. Segundo o ministério, na região do estreito de Kerch, a tempestade era acompanhada de ventos de mais de 90 quilômetros por hora e de ondas de até 4,5 metros de altura. O subdiretor do Serviço Federal de Proteção da Natureza da Rússia, Oleg Mitvol, disse neste domingo que serão necessários meses para superar as conseqüências do vazamento de cerca de 2 mil toneladas de óleo no estreito de Kerch. "Estamos diante de uma situação grave de poluição do estreito de Kerch", afirmou Mitvol em entrevista à emissora de televisão estatal russa "RTR". Mitvol ressaltou que "os trabalhos para restaurar o estado ecológico do estreito durarão meses". A autoridade russa acrescentou que o mau tempo verificado nos últimos dias dificulta os trabalhos de recolhimento do óleo derramado pelo Volga-Neft. Mitvol disse que, se o combustível atingir o fundo do mar, "a eliminação das seqüelas do vazamento poderia se tornar um problema de muitos anos". O vento sopra em direção à vizinha Ucrânia, por isso é "muito importante coordenar esforços com nossos colegas ucranianos", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Russianaufrágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.