'The Guardian' é condenado a indenizar premiê do Iraque

Justiça iraquiana define que jornal britânico deve pagar cerca de US$ 86 mil por críticas em artigo

estadao.com.br,

11 Novembro 2009 | 10h30

O jornal britânico The Guardian foi condenado pela Justiça iraquiana a pagar uma indenização de cerca de US$ 86 mil ao primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, por conta de um artigo afirmando que o chefe de governo estava aumentando o seu autoritarismo.

 

A acusação de difamação foi apresentada pelos serviços de inteligência do premiê por conta de um artigo escrito pelo jornalista iraquiano Ghaith Abdul-Ahad. O texto, que citava membros do serviço nacional de inteligência, afirmava que Maliki estaria governando cada vez mais por meio do autoritarismo.

 

Segundo o Guardian, a Justiça ignorou o testemunho de três testemunhas do jornalista, que afirmavam que o artigo não representava nenhum tipo de difamação ou insulto ao premiê. O jornal diz que vai recorrer da sentença. O ministro de Relações Exteriores britânico, David Miliband, afirmou que está muito preocupado com a decisão do tribunal. "A liberdade de expressão é vital em toda democracia".

 

A Corte iraquiana argumentou que a lei do país não permite que estrangeiros publiquem artigos criticando o primeiro-ministro ou o presidente do país e nem interfiram no governo. A Justiça ignorou o fato do autor do texto ser um iraquiano.

Mais conteúdo sobre:
Iraque Reino Unido Guardian

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.