OLI SCARFF / AFP
OLI SCARFF / AFP

Tiroteio em festa de rua deixa dez feridos em Manchester

Confusão começou em festa que se seguiu após tradicional carnaval caribenho, que é celebrado na região desde 1972

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2018 | 10h06
Atualizado 12 Agosto 2018 | 10h33

Um clima de pânico se instaurou na madrugada deste domingo, 12, nas ruas do subúrbio de Moss Side, região metropolitana de Manchester, na Inglaterra, após um tiroteio ferir pelo menos 10 pessoas, que estavam presentes em festividades que se seguiram ao tradicional Carnaval Caribenho de Manchester, comemorado anualmente desde 1972.

Conforme o comunicado da polícia local, nove pessoas, sendo duas menores de idade, foram levadas para hospitais por apresentarem ferimentos aparentemente provocados por balas de chumbo. O décimo ferido está em estado estável, mas com ferimentos graves nas pernas.

As forças de segurança de Manchester foram alertadas por volta das 2h30 (horário local, 22h30 em Brasília) sobre os disparos e continuam investigando o caso para "estabelecer com exatidão onde ocorreu o incidente e quem é responsável por este perigoso ataque". Testemunha ouvida pela BBC relata que percebeu dois grupos grandes de pessoas se aproximando, no que parecia ser uma confusão. Segundo a fonte, foi de lá que saíram os disparos. 

A vice-prefeita da região metropolitana de Manchester, Beverley Hughes, se pronunciou e disse que o incidente em Moss Side é "chocante".  

"Por sorte, os ferimentos que as vítimas sofreram não são tão graves quanto pensamos no primeiro momento. Acreditamos que essas pessoas poderão sair do hospital durante o dia", afirmou o chefe superintendente da Polícia de Manchseter, Wasim Chaudhry.

Já de acordo com a detetive Debbie Dooley, o policiamento será reforçado para aumentar a segurança da população. "Aqueles que vivem ou visitam essa região ficaram compreensivelmente preocupados com este incidente, por isso vamos mobilizar agentes extras para patrulhar a região hoje e nos próximos dias", afirmou Dooley. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.