Treze pessoas morrem atropeladas por trem na Espanha

Ao menos 13 pessoas morreram atropeladas por um trem de alta velocidade na noite de quarta-feira quando tentavam atravessar uma ferrovia para chegar a um festival em Castelldefels, perto de Barcelona, na Espanha, informou a conselheira de Justiça da Catalunha, Monserrat Tura.

REUTERS

24 de junho de 2010 | 21h16

A identidade das vítimas não foi divulgada. Parte da imprensa reportou que vários dos mortos poderiam ser de nacionalidade equatoriana.

O acidente aconteceu por volta de 23h25 (18h25 no horário de Brasília) de quarta-feira na estação de Castelldefels Platja, quando um grupo de pessoas caminhava em direção à praia para celebrar o festival de San Juan. O trem viajava de Alicante a Barcelona, segundo a operadora ferroviária Renfe.

"Analisamos os fragmentos menores, a hipótese mais factível é que se trata de 13 cadáveres, e não 12 como havíamos pensado até o momento", declarou a conselheira à imprensa, acrescentando que será muito difícil identificar a décima terceira vítima.

Dezenove agentes forenses, 21 integrantes da polícia científica e 35 investigadores trabalham na identificação no Instituto Médico Legal de Ciudad de la Justicia, para onde foram levados os corpos, explicou a polícia da Catalunha num comunicado.

O cônsul do Equador na Espanha, Freddy Arellana, anunciou que seu país deverá enviar especialistas para colaborar na identificação dos corpos.

Das 13 pessoas que ficaram feridas, 10 continuam internadas em diferentes hospitais da Catalunha, três delas em estado grave.

"A que está pior é uma moça de 25 anos (internada) no hospital de Belvitge mas, apesar de tudo, sua evolução é estável dentro da extrema gravidade", explicou a conselheira de Saúde da região, Marina Geli, em entrevista à Rádio Nacional da Espanha.

Todos os fatos apontam para a hipótese de o grupo de pessoas, principalmente jovens, ter cometido uma imprudência ao não utilizar a passagem subterrânea da estação.

Contudo, a Renfe, empresa responsável pela administração da rede ferroviária, e as autoridades judiciais abriram suas respectivas investigações.

"Tudo faz pensar que (o acidente) se deveu à imprudência ao não utilizar a passagem subterrânea de uma estação que acabamos de reformar", disse o ministro de Fomento, José Blanco, que visitou a área do acidente.

A Renfe informou em comunicado que o trem circulava abaixo da velocidade permitida pelo regulamento de circulação e emitiu sinais acústicos antes de sua entrada na estação.

Um jovem que conseguiu cruzar a linha férrea disse à rádio Cadena SER que um grupo desceu de um trem que, então, saiu da estação.

"Neste momento, um trem veio da outra direção e atropelou todos", disse o jovem, que só se identificou como Fernando.

(Por Raquel Castillo, Nigel Davies e Emma Pinedo)

Tudo o que sabemos sobre:
ESPANHATREMACIDENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.