Tribunal reinicia julgamento de líder nacionalista sérvio

Vojislav Seselj é acusado de crimes de guerra e contra a humanidade durante guerras da Croácia e Bósnia

Efe,

07 de novembro de 2007 | 10h45

O Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII) retomou nesta quarta-feira, 7, o processo contra o ex-dirigente nacionalista sérvio Vojislav Seselj, acusado de crimes de guerra e contra a humanidade supostamente cometidos durante as guerras da Croácia (1991-1995) e Bósnia (1992-1995). A Promotoria, dirigida pela suíça Carla del Ponte, acusa Seselj de incitar o ódio racial e de dirigir um grupo de paramilitares que seriam responsáveis por atrocidades cometidas durante os conflitos. A acusação afirma que Seselj "propagagou uma campanha nacionalista" na qual "os habitantes não-sérvios da Croácia e Bósnia foram expulsos à força" da região.  A promotora Christine Dahl abriu o julgamento com a alegação da acusação, enumerando diferentes casos individuais de famílias - grande parte muçulmanas - que teriam sido vítimas de crimes pelos quais Seselj é acusado. Ela mencionou o relato de famílias muçulmanas obrigadas a abandonar suas casas, de assassinatos de menores e de separações de mulheres dos maridos. Seselj criou contínuos impedimentos para o julgamento, que teve que ser adiado. O acusado se negava a falar com seu advogado oficial e chegou a fazer greve de fome por quase um mês, colocando a própria vida em risco. O líder nominal do partido ultranacionalista sérvio SRS, de 52 anos, terminou a greve de fome em 8 de dezembro de 2006, quando os juízes devolveram o direito a retomar sua própria defesa. Na primeira audiência do processo, em 27 de novembro de 2006, os juízes cederam a defesa de Seselj a um advogado de ofício porque o acusado, debilitado pela greve de fome que começara 16 dias antes, não compareceu. Após a morte do ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic, em sua cela em março de 2006, Seselj tornou-se o acusado do TPII que mostra mais resistência, apesar de ter se entregue voluntariamente em 2003.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.