Tropas da Otan iniciam ações contra protestos em Kosovo

Manifestantes sérvios derrubam dois postos da fronteira em ato contra a independência da Sérvia

Reuters e Associated Press,

19 de fevereiro de 2008 | 10h59

Tropas das Forças de Paz lideradas pelas Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), foram enviadas nesta terça-feira, 19, para a fronteira norte do novo Estado independente de Kosovo para defender os postos fronteiriços que estão sendo atacados por sérvios que são contra a separação da província.    Bush diz que independência trará paz aos Bálcãs UE permite reconhecimento individual Kosovo faz o mundo pisar em ovos  Entenda o que está em jogo em Kosovo Mapa: a disputa dos Bálcãs  Veja lista de países que reconhecem a independência do Kosovo    Dois postos de fronteira no norte do Kosovo, ocupados por soldados das Nações Unidas e da polícia multiétnica kosovar, foram incendiados por integrantes da comunidade sérvia que querem removê-los como forma de deixar claro seu desejo de permanecer na Sérvia. Manifestantes sérvios explodiram e incendiaram diversos postos de fronteira entre a Sérvia e o Kosovo nesta terça-feira em protesto contra a independência proclamada no domingo pelos líderes kosovares e o subseqüente reconhecimento do novo país. Eles também arrancaram placas de metal em torno de um posto de alfândega na fronteira e as jogaram ladeira abaixo, até que caíssem num rio.   "Os soldados estão interferindo agora", declarou para a Reuters o porta-voz coronel Betrand Bonneau, que não quis citar quais unidades internacionais da Força de 35 nações foram encaminhadas.   Em Jarnije, cerca de 30 quilômetros ao norte de Kosovska Mitrovica, mais de mil manifestantes enfurecidos quebraram e incendiaram postos de controle de passaporte. Perto dali, no vilarejo de Brnja, grupos de sérvios destruíram outro posto de fronteira. Não houve intervenção dos soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nem da polícia kosovar, mas um congestionamento formou-se na rodovia que liga Mitrovica à Sérvia.   O ambiente em Kosovska Mitrovica, uma cidade no norte do Kosovo dividida entre sérvios e albaneses étnicos, é tenso desde a declaração de independência, no domingo. Helicópteros da Otan sobrevoavam a cidade nesta terça-feira. Entre a noite de segunda e a madrugada de terça, três explosões sacudiram a cidade. Uma delas danificou diversos carros perto de um prédio da ONU. Em outro ponto da cidade, duas granadas atingiram casas abandonadas por albaneses étnicos que fugiram da guerra em 1999. Um veículo da ONU também foi incendiado numa cidade próxima. Não há informações sobre vítimas. Autoridades sérvias de Kosovo disseram que investigarão as explosões.   Os protestos contra a independência de Kosovo persistiam em Belgrado. Manifestantes aglomeraram-se em frente a embaixadas de países ocidentais. A Embaixada dos Estados Unidos foi temporariamente fechada.   O reconhecimento internacional à independência kosovar, liderado pelos Estados Unidos, pela Austrália e pela União Européia (UE), parece ter enfurecido ainda mais os sérvios pelo ato, qualificado por Belgrado como ilegal. A Rússia, a China e uma série de países europeus opõem-se à independência de Kosovo contra a vontade da Sérvia.   O presidente sérvio, Boris Tadic, pediu a intervenção do Conselho de Segurança (CS) da ONU. "A República da Sérvia não recorrerá à força", assegurou. "Em contrapartida, essa decisão arbitrária representa um precedente que causará danos irreparáveis à ordem internacional." Uma reunião do Conselho sobre o tema terminou sem acordo quanto a uma resolução ou declaração conjunta sobre a declaração de independência de Kosovo.

Mais conteúdo sobre:
KosovoindependênciaSérvia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.