Tropas russas se retiram de região portuária da Geórgia

Tropas russas foram retiradas daregião portuária da Geórgia em Poti, no Mar Negro, nestesábado, já que se aproxima a data-limite de 15 de setembroestabelecida pela França para o término da primeira fase dedesocupação do território. A Geógia comemorou a manobra e disse que espera que asforças russas mantenham a data de 10 de outubro para seretirarem completamente do território georgiano e das regiõesda Ossétia do Sul e Abkházia. Um repórter da Reuters viu tropas e caminhões se retirandode posições nos limites de Poti após o amanhecer. O jornalistadisse que as forças russas também haviam deixado outras trêsposições no caminho para Senaki. O ministro do Exterior da Rússia disse no sábado que aretirada foi terminada dois dias antes do prazo finalestabelecido num acordo mediado pelo presidente francês NicolasSarkozy e endossado pelo presidente russo, Dmitry Medvedev, em8 de setembro. "A Rússia espera o mesmo rigor e boa vontade em seguir oacordo de todas as partes envolvidas nessa questão,principalmente de todos os líderes georgianos, bem como daUnião Européia," disse o ministro em um comunicado no site dogoverno. A Rússia enviou suas tropas à Geórgia no mês passado apósevitar uma tentativa de Tbilisi de reiniciar o movimentoseparatista, na região da Ossétia do Sul, que é a favor daRússia. Na segunda-feira, Moscou concordou em retirar suas tropasno prazo de um mês das "zonas de segurança" na Geórgia ao redorda Ossétia do Sul e de uma segunda região separatista, aAbkházia. O acordo, mediado por Sarkozy, que representou a UniãoEuropéia, incluiu o compromisso de se retirarem até 15 desetembro de "postos de monitoramento" na região de Poti, ondeum porto de carregamento de petróleo e cereais é consideradovital para a economia da Geórgia. "Este é um exemplo da Europa unida e do agressor tendo dese retirar," disse à Reuters Kakha Lomaia, secretário nacionalde segurança. "Sou um otimista e acredito que as outras tropasserão retiradas," completou. A Rússia seguiu o acordo de retirada estabelecido nasegunda-feira após falar que colocaria 7.600 soldados naOssétia do Sul e Abkhásia. Ambas tiveram sua independênciareconhecida pelo Kremlin no mês passado. A intervenção de Moscou na vizinha Geórgia, integrante daex-União Soviética e que irritou Moscou forçando sua entradacomo membro da OTAN, foi condenada internacionalmente poroutros países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.