Tropas turcas matam 16 militantes do PKK após ataque a comboio

Tropas turcas mataram 16 guerrilheiros curdos durante uma operação no sudeste da Turquia que mirava os militantes que realizaram um ataque com bomba contra um comboio militar, matando cinco soldados, informou o governo local nesta quinta-feira.

SEYHMUS CAKAN, Reuters

23 de agosto de 2012 | 10h03

Os confrontos fazem parte de um crescente ciclo de violência na província remota e montanhosa de Hakkari, na fronteira com o Iraque e o Irã -- uma situação que as autoridades turcas e especialistas estão associando ao aprofundamento do conflito na Síria.

O Exército enviou reforços de tropas e helicópteros armados depois que militantes do Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK) detonaram bombas controladas remotamente em um ataque a um comboio do Exército no distrito de Semdinli, em Hakkari, na quarta-feira.

Cinco soldados foram mortos e outros sete ficaram feridos no episódio, afirmou o gabinete do governador de Hakkari em um comunicado.

Em um sinal da crescente preocupação pela crescente violência nesta região predominantemente curda, o comandante das forças terrestres curdas chegou à província na quinta-feira.

Ele buscou reafirmar a maioria da opinião pública, que é favorável a uma resposta dura aos ataques dos militantes.

"Nossas operações na área continuarão sem intervalo", disse o general Hayri Kivrikoglu, de acordo com o site estatal Anatolian.

"Nós sempre ficamos ao lado do nosso povo. Nosso povo não deve se preocupar. As forças armadas turcas continuarão em sua tarefa para proteger a segurança das pessoas e da região", disse.

Desde junho do ano passado, cerca de 800 pessoas morreram no conflito, incluindo cerca de 500 combatentes do PKK, mais de 200 pessoas da equipe de segurança e cerca de 85 civis, de acordo com estimativas do instituto de pesquisas Grupo de Crises Internacionais.

(Reportagem adicional de Ayla Jean Yackley, em Istambul)

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIACONFLITOCURDOSEXERCITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.