Turcos aprovam eleições diretas para presidente em referendo

Os turcos também votaram pela redução do mandato presidencial para cinco anos, renovável por mais cinco

Reurters,

21 de outubro de 2007 | 18h11

Os turcos apoiaram por grande maioria o plano para que os futuros presidentes do país sejam eleitos pelo povo, em vez de pelo Parlamento.     Resultados preliminares do referendo realizado neste domingo mostraram que cerca de 70%aprovavam as mudanças constitucionais propostas pelo partido do primeiro-ministro Tayyip Erdogan, o AK, de centro-direita.                            Erdogan tem afirmado que a reforma vai fortalecer a democracia no país muçulmano, que quer se juntar à União Européia.                    O presidente Abdullah Gul, cuja situação não será afetada pelo resultado do referendo, também defendeu as mudanças.     Aliado do premiê, Gul foi eleito em agosto pelo Parlamento para um mandato de sete anos. Em 2014, seu sucessor será escolhido por eleições diretas.    Os turcos também votaram pela redução do mandato para cinco anos, renovável por mais cinco. Eles cortaram o mandato dos parlamentares em um ano, de cinco para quatro.    Atualmente, o presidente não pode se reeleger.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.