Turquia afasta outros 25 chefes da polícia diante de investigação--mídia

Autoridades turcas removeram de seus cargos outros 25 chefes da polícia, informou a imprensa local, ampliando a repressão à força desde que foi divulgada a investigação sobre corrupção, a qual o primeiro-ministro Tayyip Erdogan classificou como uma "operação suja" contra seu governo.

Reuters

22 de dezembro de 2013 | 09h28

Erdogan acusou "grupos internacionais" e "alianças escuras" no sábado de incentivar as investigações e sinalizou que o afastamento de pessoas por trás delas iria continuar.

O furor chegou aos mercados e expôs as profundas diferenças entre Erdogan e seu ex-aliado Fethullah Gulen, um pregador islâmico que exerce influência na polícia e judiciário.

Vinte e quatro pessoas foram formalmente presas sob a investigação de corrupção, incluindo os filhos de dois ministros do governo. Em resposta, cerca de 70 policiais --incluindo o poderoso chefe da força de Istambul-- já foram demitidos ou movidos para diferentes postos desde que a detenção de suspeitos de suborno começou na semana passada.

O primeiro-ministro disse no sábado que a repressão sobre as pessoas por trás da investigação de corrupção continuaria.

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIAPOLICIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.