Turquia diz que 35 rebeldes curdos morrem em confrontos

Exército afirma que insurgentes foram mortos durante enfrentamentos na região da fronteira com Iraque

Efe e Associated Press,

17 de outubro de 2008 | 08h15

Militares turcos interceptaram uma comunicação via rádio dos rebeldes curdos, indicando que até 35 guerrilheiros foram mortos em recentes confrontos, disseram funcionários turcos nesta sexta-feira, 17. A conversa ocorreu no dia 14, segundo um porta-voz dos militares. O funcionário disse não ser capaz de confirmar o número de mortes. Alguns dos corpos teriam sido queimados, segundo a conversa por rádio.   Os confrontos entre tropas turcas e rebeldes do Partido de Trabalhadores do Curdistão (PKK) pioraram desde 3 de outubro, quando rebeldes curdos mataram 17 soldados em um ataque. O PKK, considerado terrorista pelos Estados Unidos e pela União Européia, luta por autonomia para os curdos no sudeste da Turquia. Dezenas de milhares de pessoas já morreram em confrontos envolvendo essa causa. "Os terroristas sofreram mais de 30 baixas, enterraram alguns (mortos) na região e fugiram com outros", indicou o Estado-Maior no comunicado, em que acrescentou que "um terrorista gravemente ferido foi executado por seus companheiros". O general Metin Gural, que leu o comunicado, destacou que o Exército tem certeza, após interceptar as comunicações de rádio do PKK, de que pelo menos 35 rebeldes morreram. O militar também ressaltou que um helicóptero que caiu na quinta não foi abatido pelo PKK, mas sofreu um problema técnico. No acidente, um general fraturou um joelho e várias costelas. A guerrilha do PKK tinha assegurado que derrubou a aeronave.   Os militares turcos afirmaram também que nesta sexta-feira aviões de combate realizaram um bombardeio em áreas nas quais há bases de rebeldes curdos, no norte do Iraque. Os ataques ocorreram em Monte Qandil, uma área 100 quilômetros distante da fronteira iraquiana, usada pelos rebeldes como base para atacar no território turco. Os militares afirmaram que a ação foi um sucesso, sem dar detalhes.

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaPKK

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.