Adem Altan/AFP
Adem Altan/AFP

Turquia faz alerta à Síria sobre movimentações militares

País pediu apoio de aliados na Otan sobre caso de avião derrubado e pediu reunião em Bruxelas

REUTERS

26 de junho de 2012 | 08h01

ANCARA - A Turquia vai tratar qualquer unidade militar síria que se aproximar da fronteira como uma ameaça e um alvo militar, disse o primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, nesta terça-feira.

Veja também:

linkTurquia afirma que vai pressionar Otan sobre abate de avião militar

linkForças sírias dispararam contra segundo avião turco, diz Ancara

linkAncara diz que abate, pela Síria, de avião militar foi intencional

Erdogan também afirmou que a Turquia agiu totalmente dentro de seus direitos no episódio em que forças sírias derrubaram um caça turco, e que a resposta racional do governo de Ancara ao episódio não deve ser interpretada equivocadamente como sinal de fraqueza.

"Todos devem saber que a ira da Turquia é forte e devastadora", disse Erdogan em discurso a deputados de seu partido, o AK.

O papel do Exército turco ao longo da fronteira entre os dois países agora mudou, disse Erdogan.

"Qualquer elemento militar aproximando-se da Turquia na fronteira síria e representando um risco de segurança e um perigo será considerado uma ameaça militar e será tratado como alvo militar", disse ele.

A Turquia pediu o apoio de seus aliados na Otan sobre o caso do avião militar derrubado e pediu uma reunião em Bruxelas sob o Artigo 4 da carta da aliança militar, que prevê consultas quando um Estado membro sente a integridade ou a segurança de seu território sob ameaça.

A Turquia rejeitou as afirmativas sírias de que as forças do país não tinham opção a não ser disparar no caça F-4 que voava sobre águas sírias perto do litoral, na sexta-feira. Para os turcos, houve um "ato de agressão" contra uma aeronave desarmada que fazia um voo de reconhecimento sobre águas internacionais.

O incidente elevou as tensões entre Turquia e Síria, que já estavam elevadas diante dos 16 meses de protestos contra o regime do presidente sírio Bashar al Assad.

Mais conteúdo sobre:
TURQUIASIRIAMILITARESavião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.