Umit Bektas/Reuters
Umit Bektas/Reuters

Turquia faz imposição para abrir fronteira com Armênia

Ancara pede que tropas armênias devem se retirar do Azerbaijão para que acordo de paz seja aprovado

Reuters,

11 de outubro de 2009 | 11h46

O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, disse neste domingo, 11, que a Armênia deve retirar-se de Nagorno-Karabakh, no Azerbaijão, para garantir a aprovação em seu parlamento do histórico acordo de paz assinado entre os dois países no sábado.

 

"A Turquia não pode dar um passo positivo a menos que a Armênia se retire das terras do Azerbaijão (...) se esse assunto for resolvido nosso povo e nosso parlamento terão uma atitude mais positiva em relação a este protocolo e este processo", afirmou Erdogan durante congresso de seu partido em Ancara.

 

Os dois países da região da Eurásia firmaram o acordo destinado a restaurar os laços diplomáticos e de abertura de fronteira no sábado, em Zurique. Desentendimentos de última hora atrasaram a assinatura do documento por mais de três horas, forçando a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, a fazer diálogos intensos para salvar o pacto.

 

Os parlamentos turco e armênio devem aprovar o acordo frente à oposição de grupos nacionalistas de ambos os lados e uma diáspora Armênia, que insiste que a Turquia deve reconhecer como genocídio as mortes de até 1,5 milhão de armênios durante a Primeira Guerra Mundial.

 

"Levaremos o protocolo ao parlamento, mas o plenários tem que ver as condições entre Azerbaijão e Armênia para decidir se o acordo pode ser implantando", disse o primeiro-ministro turco.

 

A fronteira entre os dois países foi fechada e os laços foram cortados em 1993, após a Turquia lançar apoio aos azerbaijanos de origem turca que, à época, lutavam numa batalha perdida contra armênios separatistas em Karabakh.

 

Em seus comentário, Erdogan tentou tranquilizar seu aliado Azerbaijão, que reagiu com irritação ante ao acordo, dizendo que a situação poderia ameaçar a segurança da região e "lançar uma sombra" sobre as relações com Ancara.

 

"A normalização das relações entre Turquia e Armênia antes da retirada das tropas armênias do território ocupado azerbaijano está em contrapartida direta com os interesses nacionais do Azerbaijão", afirmou o Ministério de Relações Exteriores daquele país.

 

Em uma declaração de forte retórica, o ministério acrescentou que o acordo "lança uma sombra sobre as relações fraternais entre Azerbaijão e Turquia, que estão construídas sobre raízes históricas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.