Murad Sezer/Reuters
Murad Sezer/Reuters

Turquia promete aumentar resposta se Síria voltar a bombardear

Forças Armadas turcas reforçaram sua presença nos 900 quilômetros de fronteira com país

JONATHON BURCH, Reuters

10 de outubro de 2012 | 09h51

HACIPASA, TURQUIA - Os militares turcos prometeram nesta quarta-feira, 10, reagir com mais força caso a Síria continue alvejando seu território, num dia em que mais morteiros caíram na localidade fronteiriça de Azmarin.

Veja também:

linkRebeldes suicidas atacam complexo de segurança na Síria

tabela ESPECIAL: Primavera Árabe

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

As Forças Armadas turcas reforçaram sua presença nos 900 quilômetros de fronteira com a Síria, e estão respondendo à altura na última semana aos disparos vindos do norte da Síria, onde as forças do presidente Bashar al-Assad combatem rebeldes que controlam parte do país.

Rajadas de metralhadoras foram ouvidas vindo do lado turco nesta quarta, em meio a fumaça e gritos de "Deus é o maior", segundo testemunhou um repórter da Reuters.

"Respondemos, mas, se continuar, vamos responder com maior força", disse o chefe do Estado-Maior turco, general Necdet Ozel, à TV estatal TRT.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse na terça-feira que a aliança militar, com 28 países, tem planos para a defesa da Turquia, um dos seus membros.

Ele não deu mais detalhes, mas uma fonte graduada de Defesa dos EUA disse que a Otan provavelmente vai intervir se a Turquia solicitar assistência.

Não ficou claro se os disparos que atingiram o território turco tinham alvo definido, ou se foram um dano colateral de ataques das tropas sírias contra posições rebeldes perto da fronteira com a Turquia.

Muitos civis sírios, incluindo mulheres com crianças de colo, fugiram da Síria cruzando o riacho que separa o país da Turquia na região de Azmarin. Moradores da aldeia turca de Hacipasa ajudaram a retirar os refugiados em barquinhos metálicos.

"Os disparos começaram a se intensificar ontem à noite. Algumas pessoas foram mortas, algumas estão caídas feridas na estrada", disse uma mulher de 55 anos, chamada Mune, que fugiu de Azmarin e estava com vários adultos e cerca de 20 crianças em frente a uma casa em Hacipasa.

"As pessoas querem escapar, mas não conseguem. Muitas se instalaram em um campo fora da cidade, e estão tentando vir", disse ela, contando como usou uma bacia para ajudar crianças a atravessarem outro ponto do rio.

Médicos e voluntários improvisaram postos de primeiros socorros em ambos os lados da fronteira. Uma ambulância turca, além de vários micro-ônibus e carros, esperava para levar os feridos mais graves à cidade de Antakya ou a hospitais distritais.

"Não me levem para o outro lado, me levem de volta. Quero retornar e lutar", dizia um homem com camiseta ensanguentada, que saía de maca.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeTurquiaSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.