Turquia tenta diplomacia para resolver crise com rebeldes curdos

A Turquia usará todos os canaisdiplomáticos para resolver a crise envolvendo rebeldes curdosno norte do Iraque antes de lançar uma operação militar, dissenesta segunda-feira o ministro das Relações Exteriores turco,Ali Babacan, segundo a CNN turca. "Tentaremos todos os meios diplomáticos antes de realizarqualquer operação militar", afirmou Babacan. As declaraçõesforam exibidas pela CNN e outras TVs da Turquia durante umavisita dele ao Kuweit. Ainda segundo a TV turca, o presidente iraquiano, JalalTalabani, afirmou que os rebeldes interromperão suas ações nanoite de segunda-feira. Não há outros detalhes sobre oscomentários do presidente. Os Estados Unidos, preocupados com a possibilidade de umaofensiva desestabilizar a área, declararam que estãocomprometidos a trabalhar com a Turquia e o Iraque pararesolver a questão dos rebeldes curdos, disse o porta-voz doConselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Gordon Johndroe. No domingo, combates travados com rebeldes curdos perto dafronteira com o Iraque mataram ao menos 12 militares turcos.Além disso, nesta segunda a Turquia disse que oito de seussoldados estão desaparecidos. De acordo com o gabinete turco, 34 rebeldes do Partido dosTrabalhadores do Curdistão (PKK) também foram mortos nosconflitos, dois a mais que uma cifra divulgada anteriormente. A agência de notícias Firat, pró-PKK, afirmou que oitosoldados turcos foram capturados -- a agência divulgou o nomede sete deles --, mas a Turquia negou. O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, declarou nodomingo esperar que os EUA realizem manobras "imediatas" parareprimir o PKK, que conta com bases no norte do Iraque. Antecipando uma eventual incursão militar, a Turquia envioupara a região da fronteira com o Iraque até 100 mil soldados,que recebem apoio de tanques, de caças F-16 e de helicópterosde ataque. Os EUA e o Iraque pediram à Turquia que não realize umaoperação militar na região curda do norte iraquiano, em grandeparte autônoma e uma das poucas áreas relativamente estáveis dopaís depois da invasão liderada pelos norte-americanos, em2003. A Turquia estima que 3.000 rebeldes do PKK estão do outrolado da fronteira, e uma série recente de ataques contra asforças turcas fez aumentarem as pressões sobre Erdogan para quetome alguma medida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.