Ucrânia dissolve o Parlamento e antecipa eleições

O presidente ucraniano, Viktor Yushchenko, abandonou na quarta-feira a busca por uma nova coalizão, dissolveu o Parlamento e convocou eleições antecipadas. Ele fez o anúncio num pronunciamento pela TV, prometendo uma votação "democrática e legal". Yushchenko está há meses em atrito com a primeira-ministra Yulia Tymoshenko, que foi sua aliada na chamada "Revolução Laranja", de 2004, quando ele chegou ao poder. O presidente atribuiu o fracasso das negociações a ela e disse que até quarta-feira não havia recebido uma proposta para uma coalizão viável. "Estou absolutamente convencido de que a coalizão democrática foi arruinada por uma só coisa: a ambição humana, a ambição de uma pessoa", disse Yushchenko, atualmente em visita à Itália. Ele não informou a data da nova eleição, a terceira em três anos. A Constituição estabelece um prazo de 60 dias a partir da dissolução do Parlamento, tornando o 7 de dezembro como uma data possível.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.