Ucrânia diz que violações do cessar-fogo impedem criação de zona tampão

Exército ucraniano acusou as forças separatistas de continuar a disparar contra o governo apesar de acordo de 5 de setembro

Natalia Zinets, Reuters

21 de setembro de 2014 | 12h33

O Exército da Ucrânia acusou os separatistas e tropas russas no domingo de continuar a disparar contra as forças do governo apesar do cessar-fogo de 5 de setembro e disse que Kiev não irá em frente com a criação de uma zona tampão se as violações da trégua não acabarem. 

As partes em conflito na Ucrânia concordaram na sexta-feira com a retirada de artilharia e outras armas pesadas para fora de uma zona tampão de 30 quilômetros, ampliando o acordo de cessar-fogo em um conflito no leste da Ucrânia que já matou mais de 3.000 pessoas. 

O porta-voz militar da Ucrânia, Andriy Lysenko, disse que os separatistas pró-Rússia e as tropas russas continuavam a atingir as posições das forças do governo. 

"Nas últimas 24 horas, perdemos dois soldados ucranianos, oito foram feridos", ele disse a jornalistas no domingo. 

Questionado sobre a zona tampão, ele disse: "Um dos principais pontos do acordo é o cessar-fogo, depois há outros pontos. No momento, o primeiro ponto não foi cumprido, então não vamos falar de outros pontos. Se for para haver uma retirada das forças, então ela deve ser sincronizada com a retirada das forças russas", ele afirmou.

Lysenko disse que separatistas tinham realizado mais um ataque ao aeroporto internacional de Donetsk, controlado pelo governo. Os rebeldes mantêm o controle da cidade de Donetsk, o principal pólo industrial da região leste. 

Ele disse que 40 combatentes separatistas tinham sido mortos na operação "defensiva" das forças ucranianas. Não houve confirmação independente desse número.

(Reportagem de Richard Balmforth)

Mais conteúdo sobre:
Ucrâniaataquesviolações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.