Ucrânia poderá ser alvo da Rússia se aderir à Otan, diz Putin

O presidente russo, Vladimir Putin,afirmou na terça-feira que a Rússia poderá ser forçada arecolocar seus mísseis na direção da Ucrânia, ex-repúbicasoviética, se Kiev passar a fazer parte da Organização doTratado do Atlântico Norte (Otan) e abrigar um escudoantimísseis dos Estados Unidos. Quando questionado sobre uma possível entrada da Ucrânia naOtan, o presidente disse que a adesão poderia significar quepartes do escudo poderiam ser colocadas em solo ucraniano. Moscou é contra os planos dos EUA de instalar elementos doescudo na Polônia e na República Tcheca, argumentando que issoafetaria o estratégico equilíbrio militar na Europa e que seriauma ameaça à segurança nacional da Rússia. Após conversas com o presidente ucraniano, ViktorYushchenko, Putin disse que o objetivo real do escudonorte-americano seria "a neutralização de nosso potencial demísseis nucleares, o que levaria a Rússia a tomar medidasretaliatórias". "Não só estou horrorizado de dizer isso, é assustador atépensar que a Rússia, em resposta à possível colocação de(elementos) do escudo antimísseis na Ucrânia..., teria quedirecionar seus sistemas ofensivos de foguetes à Ucrânia",declarou Putin em entrevista coletiva no Kremlin. Os EUA não pediram ao país para desempenhar nenhum papelrelacionado ao futuro escudo. (Reportagem de Dmitry Solovyov)

REUTERS

12 de fevereiro de 2008 | 14h56

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAATAQUEUCRANIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.