UE aceita congelamento de bens do Irã, diz porta-voz de Brown

Representante do chefe de política da UE diz que bloco está pronto para aprofundar sanções contra Teerã

Agências internacionais e Agência Estado,

16 de junho de 2008 | 14h33

Um porta-voz do governo britânico afirmou nesta segunda-feira, 16, em Londres, que a União Européia (UE) aceita em princípio o congelamento dos bens do maior banco do Irã. Michael Ellam, porta-voz do primeiro-ministro Gordon Brown, disse existir um acordo em vigor referente ao congelamento dos bens do Banco Melli.   Veja também: Ao lado de Bush, Brown anuncia sanções ao IrãIrã retira da Europa US$ 75 bi em reservas   Ellam comentou que os chanceleres dos países do bloco concordaram com o congelamento dos bens do banco. Os ministros de Relações Exteriores dos países da UE estão reunidos em Luxemburgo. Uma porta-voz do chefe de política externa da UE, Javier Solana, disse que o bloco está pronto para aprofundar as sanções contra Teerã. "Nós vamos definitivamente tomar uma decisão formal", afirmou Cristina Gallach.   A porta-voz não especulou sobre quando a decisão ocorreria. Mas deixou claro que o grupo de 27 nações concorda em princípio com novas sanções. Mais cedo, Brown anunciou que o objetivo da medida é desencorajar o país de uma suposta ambição de desenvolver armas nucleares. Ele alertou o Irã, afirmando que a Europa está preparada para intensificar as sanções, caso o país não responda às ofertas de parceria e diálogo oferecidas em troca do fim do programa nuclear. "Faremos o possível para manter o diálogo, mas está claro que se o Irã continuar a ignorar nossas resoluções e ofertas de parceria, não teremos outra opção senão intensificar as sanções", disse.   "O Reino Unido convocará (nesta segunda) a Europa, e a Europa concordará com a aplicação das sanções contra o Irã", garantiu Brown, acrescentando que seu país pedirá para que os ativos do banco Melli, a maior instituição financeira iraniana, sejam congelados no exterior. "As ações irão começar hoje (segunda-feira) em uma nova fase de sanções sobre petróleo e gás. Iremos tomar qualquer ação necessária para que o Irã esteja ciente da escolha que precisa fazer."   Após o anúncio, cerca de US$ 75 bilhões em reservas estrangeiras do Irã, sob o risco de congelamento, foram retirados de bancos europeus, de acordo com uma publicação semanal iraniana. Parte das reservas foi convertida em ativos reais, como ouro e ações, e o restante foi transferido para bancos asiáticos. A publicação atribuiu a informação a Mohsen Talaie, representante de assuntos econômicos do Ministério do Exterior.   O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, teria ordenado que bancos do país, especialmente o Bank Melli, transfiram seus ativos para o Banco Central do Irã, já que a União Européia prepara o terreno técnico e legal para congelar os recursos do Melli, diz a publicação.   Nesta segunda, Bush voltou a advertir Teerã de que não descarta o uso da força para obrigar o país a suspender seu projeto atômico, sempre reforçando que ainda espera resolver o impasse pela via diplomática. "Todas as opções" estão sobre a mesa, disse o presidente em entrevista coletiva com Brown.   Além das sanções ao Irã, Brown anunciou que o Reino Unido elevará o número de soldados no conflito afegão "ao nível mais alto". O premiê justificou o aumento de tropas no Afeganistão, afirmando que deseja preparar os afegãos para que eles se defendam com suas próprias forças.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoIrãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.