Jean Paul Pelissier/Reuters
Jean Paul Pelissier/Reuters

UE ameaça adotar medidas contra a França por expulsão de ciganos

Comissária ressalta gravidade da situação e critica ministros que defendem política de Sarkozy

estadão.com.br

14 de setembro de 2010 | 08h13

BRUXELAS -  A União Europeia (UE) poderá tomar medidas legais contra a França pela forma com que o país conduziu a expulsão de ciganos, disse a comissária de Justiça do bloco, Viviane Reading,  nesta terça-feira, 14.

 

Segundo a comissária, a França não foi sincera sobre suas negociações com as autoridades da UE sobre a retirada de milhares de ciganos do país e disse acreditar que deveriam ser iniciados processos contra o governo francês dentro de semanas.

"Minha paciência está se esgotando. Já é o bastante", disse Reding a jornalistas em uma coletiva de imprensa em Bruxelas, levantando a voz e batendo no pódio com frustração, enquanto falava.

 

 

Viviane ainda  classificou como vergonhosa a expulsão. As declarações ocorrem depois do vazamento da informação de que as autoridades do país teriam ordenado à polícia por meio de uma circular desmantelar acampamentos de imigrantes, especialmente romenos.

 

"É uma vergonha", definiu Viviane em entrevista coletiva. "Nenhum estado membro pode esperar um tratamento especial quando o que está em questão são os direitos humanos", disse a comissária.

 

"Não se trata de uma ofensa menor em uma situação desta importância", assinalou, citando a gravidade do caso e criticando dois ministros franceses que afirmaram em Bruxelas que a medida não envolvia discriminação por raça ou origem.

 

Outro lado

 

A chancelaria francesa se disse "surpresa" pela proposta de Viviane. "Recebemos com surpresa as declarações de Viviane Reding. Pensamos que não é com este tipo de declarações que se melhora a situação dos ciganos, que são aqueles que estão no coração de nossas preocupações e de nossa ação", assegurou um porta-voz diplomático francês em Paris.

 

Na segunda, a alta comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Navi Pillay, também denunciou a expulsão de ciganos na França. "As novas políticas da França para com os ciganos, incluindo o desmantelamento de seus assentamentos e as deportações coletivas rumo a seu país de origem. Isto só pode exacerbar o estigma dos ciganos e a extrema pobreza em que vivem", disse Navi.

 

O embaixador francês na ONU em Genebra, Jean-Baptiste Mattei, defendeu a política de seu país. "As autoridades francesas nunca estigmatizaram pessoas pertencentes a uma minoria em função de sua origem. Não há um 'problema cigano', mas cidadãos europeus mais desfavorecidos que outros, que têm dificuldades de inserção e que merecem atenção particular", afirmou.

Com Efe e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaciganosSarkozyUnião Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.