UE chega a acordo para Irlanda; deve assinar no domingo

Os ministros europeus devem assinar neste domingo um pacote de ajuda de 85 bilhões de euros (115 bilhões de dólares) para a Irlanda, que se tornará o segundo país da zona do euro, junto à Grécia, a receber ajuda em meio à crise de dívida da região.

CARMEL CRIMMINS E LUKE BAKER, REUTERS

28 de novembro de 2010 | 11h35

Os ministros das Finanças da zona do euro reúnem-se a partir das 10h (horário de Brasília) para firmar o acordo.

Fontes europeias disseram que um time de especialistas da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu (BCE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI) finalizaram um acordo com as autoridades irlandesas após 10 dias de negociações.

"As negociações foram concluídas, e foi acordado um pacote", disse uma fonte envolvida com as discussões.

"Os ministros financeiros da UE já estão prontos para assinar o pacote, mas acho que eles também vão querer discutir alguns dos detalhes e acrescentar algum ímpeto político ao que foi acordado na Irlanda."

Fontes dizem que o pacote de créditos vai totalizar cerca de 85 bilhões de euros. Um obstáculo importante vem sendo a taxa de juros que será cobrada e o vencimento dos empréstimos, previsto para ser entre três e seis anos.

Depois de os ministros da zona do euro se reunirem para discutir o pacote, os 27 ministros financeiros da UE vão se reunir em Bruxelas, com a expectativa de que os detalhes do pacote de resgate sejam anunciados antes da abertura dos mercados financeiros da Ásia na segunda-feira.

O presidente da Comissão Europeia, José Manual Barroso, disse à rádio Europe 1 que espera que os ministros financeiros da UE concordem de maneira unânime em ajudar a Irlanda, que está sob pressão intensa para aceitar o resgate apesar de ter declarado repetidas vezes nas últimas semanas que não precisava dessa ajuda.

Em uma série de telefonemas feitos no fim de semana, o presidente francês Nicolas Sarkozy conversou com os líderes da Alemanha, Itália, Espanha e Portugal.

Dezenas de milhares de irlandeses foram às ruas de Dublin no sábado para protestar contra o pacote de resgate prestes a ser acordado, e os partidos de oposição irlandeses avisaram que não aceitarão taxas de juros excessivas.

Existe a expectativa de que os dois partidos, o Fine Gael e o Trabalhista, derrotem o partido Fianna Fail, do impopular primeiro-ministro Brian Cowen, em uma eleição que terá lugar em alguns meses. Eles já disseram que terão que respeitar um acordo de resgate que venha a ser fechado, mas que poderão tentar renegociar seus detalhes.

Tudo o que sabemos sobre:
IRLANDARESGATEUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.