Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

UE exige solução imediata do Irã sobre segunda usina nuclear

Órgão também se mostrou preocupado com recentes testes com mísseis do país islâmico

Associated Press,

28 de setembro de 2009 | 11h22

O chefe da Polícia Estrangeira da União Europeia, Javier Solana, afirmou nesta segunda-feira, 28, que o Irã deve imediatamente resolver as questões relativas à segunda usina de enriquecimento de urânio com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a divisão de fiscalização nuclear da ONU.

 

Veja também:

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Solana também se mostrou preocupado com os testes com mísseis iranianos no domingo e na segunda, mas não discutiu novas sanções ao país islâmico. As declarações do dirigente foram dadas antes de uma reunião com ministros de Defesa europeus na Suécia.

 

Na semana passada, os EUA e seus aliados - Alemanha, China, Rússia, França e Reino Unido - revelaram que o Irã esteve desenvolvendo secretamente um complexo de enriquecimento de urânio subterrâneo.

 

Segundo Solana, o encontro da próxima quinta-feira, 1º, entre o Irã, o Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha terão como base um "novo contexto".

 

França pede suspensão de "atividades desestabilizadoras"

 

A França manifestou nesta segunda-feira sua preocupação com o teste iraniano e pediu que as autoridades do Irã suspendam "imediatamente" suas "atividades profundamente desestabilizadoras".

 

"Pedimos ao Irã que escolha o caminho da cooperação no lugar da confrontação, cessando imediatamente estas atividades", afirmou o Ministério das Relações Exteriores francês em comunicado.

 

A França pediu ao Irã que coopere "respondendo sem demora às exigências da comunidade internacional por um acordo negociado sobre a questão nuclear".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.