UE mantém Farc na lista de organizações terroristas

Bloco também dá 'pleno apoio' ao presidente colombiano que se mostra satisfeito com a'firmeza da União

REUTERS

22 de janeiro de 2008 | 10h14

A União Européia vai manter a guerrilha colombiana Farc na sua lista de organizações terroristas, disse na terça-feira o chefe de política externa do bloco numa manifestação de apoio ao governo de Álvaro Uribe, que se mostra satisfeito com a "firmeza" adotada pela União. Veja também: Farc pode delegar a Granda o papel de interlocutorEntenda o que são as FarcCronologia: do seqüestro à libertação"Uribe tem nosso pleno apoio nesta luta ... contra o terrorismo", disse o espanhol Javier Solana depois de reunião com o presidente colombiano, que está na Europa para discutir formas de libertar mais de 40 reféns políticos das Farc. "Os terroristas devem libertar os reféns sem nenhuma condição", acrescentou Solana. O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, sugeriu neste mês que a comunidade internacional considere as Farc como um grupo insurgente, em vez de terrorista. No começo do mês, Chávez conseguiu que as Farc libertassem duas reféns sequestradas há anos. Mas Uribe rejeitou a proposta de Chávez, e a UE lhe deu apoio. "Não há razão para mudar nossa posição", disse Solana, quando questionado sobre a possibilidade de tirar as Farc da lista de terroristas. Uribe, que manifestou num pronunciamento sua gratidão pela conduta "firme" da União Européia, autorizou que França, Espanha e Suíça retomem a tentativa de mediar um acordo que leve à troca dos reféns por cerca de 500 guerrilheiros presos. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) surgiram na década de 1960 como um grupo marxista dedicado a fazer uma revolução. Nas últimas décadas, porém, envolveram-se profundamente com o tráfico de cocaína e mantêm atualmente cerca de 750 reféns, a maioria para a cobrança de resgate em dinheiro, segundo as autoridades.

Tudo o que sabemos sobre:
UEFARCLISTATERROR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.