UE tenta acalmar temores sobre imigração de búlgaros e romenos

A União Europeia tentava acalmar temores em países como Grã-Bretanha, França e Alemanha de que eles possam receber um fluxo massivo de romenos e búlgaros após a suspensão de restrições nesta quarta-feira, uma mudança que pode dar força ao sentimento de oposição a imigrantes na Europa.

ADRIAN CROFT, Reuters

01 de janeiro de 2014 | 14h46

A partir deste 1o de janeiro, sete anos após seus países entrarem na UE, búlgaros e romenos estão livres para viver e trabalhar em qualquer parte do bloco de 28 nações sem ter que solicitar permissões de trabalho.

A mudança, longamente planejada, deixou alarmados países mais ricos da UE, onde políticos de direita e veículos da mídia estão dizendo às pessoas para se preparar para uma enxurrada de europeus do sul que poderiam tomar vagas de trabalho dos locais, sobrecarregar serviços públicos e aproveitar-se do estado do bem estar social.

"Benefícios da Grã-Bretanha, aí vamos nós! O medo com o início do fluxo de imigração", diz uma manchete na capa do tabloide Daily Express nesta quarta-feira.

Antes das eleições para o Parlamento Europeu em maio, os temores favorecem o discurso de partidos de direita como o francês Frente Nacional, o holandês Partido da Liberdade e o britânico Partido da Independência da Grã-Bretanha.

Buscando acalmar o debate, o comissário do emprego da UE, Lazlo Andor, disse que já há mais de 3 milhões de búlgaros e romenos vivendo em outros países do bloco, acrescentando que o fim das restrições não deve levar a qualquer aumento.

"Acredito firmemente que restringir o livre movimento de trabalhadores europeus não é a solução para o alto desemprego ou para a crise", disse.

(Reportagem adicional de Estelle Shirbon)

Tudo o que sabemos sobre:
UEIMIGRACAOTEMORES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.