EFE/EPA/YURI KOCHETKOV
EFE/EPA/YURI KOCHETKOV

Rússia ou União Soviética? Sanções da guerra na Ucrânia levam país de Putin de volta ao passado

Sanções, fechamento de espaço aéreo e saídas de empresas internacionais ameaçam isolar os russos em uma extensão nunca vista desde a era soviética

Paul Sonne, Jeanne Whalen e Cat Zakrzewski, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2022 | 10h00
Atualizado 16 de março de 2022 | 11h40

Uma cortina de ferro econômica e cultural está caindo sobre a Rússia enquanto o presidente Vladimir Putin prossegue com sua invasão da Ucrânia, revertendo décadas de integração com as economias ocidentais e ameaçando isolar os russos em uma extensão nunca vista desde a era soviética.

O corte dramático é resultado de restrições punitivas impostas pelos Estados Unidos e pela Europa, incluindo proibições de aeronaves russas sobrevoarem o espaço aéreo ocidental e sanções ao banco central. Foi agravado por um êxodo voluntário de empresas internacionais do mercado russo.

Mas o isolamento também é uma função das medidas repressivas que Putin tomou em casa. Essas medidas restringiram o livre fluxo de informações on-line, abafaram protestos públicos e fizeram milhares de russos fugirem para o exterior, temendo a possibilidade de lei marcial, recrutamento ou fronteiras fechadas em um país que caminha para uma forma mais severa de autoritarismo.

"Enquanto Putin tenta reduzir a Ucrânia a escombros, ele também está transformando a Rússia em uma prisão", disse a subsecretária de Estado para Assuntos Políticos, Victoria Nuland, durante depoimento ao Congresso na terça-feira.

O resultado é a ascensão de uma versão de estado pária da Rússia, que rapidamente se tornou um lugar que muitos de seus próprios cidadãos nem reconhecem - onde o dinheiro está sujeito a controles de capital; onde as estações de rádio e televisão da intelectualidade russa não mais transmitem; onde o TikTok não aceitará uploads de vídeo; e onde a seleção russa não pode competir pela Copa do Mundo da FIFA.

"Durante décadas, até países párias como Coreia do Norte e Irã participaram das Olimpíadas e Copas do Mundo, e times da União Soviética participaram de copas europeias de futebol mesmo nos anos de maiores tensões", disse ele. "Agora tudo isso acabou. É assim que o povo russo sabe que algo está terrivelmente errado."

Da integração pós-soviética ao isolamento

Putin há muito apresenta seu governo como um antídoto estável para a turbulência econômica e a criminalidade que afligiu a Rússia na década de 1990 após o colapso da União Soviética. Aumentos significativos nos padrões de vida durante seus dois primeiros mandatos alimentaram grande parte de sua popularidade entre os russos.

Para Entender

Entenda a crise entre Rússia e Otan na Ucrânia

O que começou como uma troca de acusações, em novembro do ano passado, evoluiu para uma crise internacional com mobilização de tropas e de esforços diplomáticos

A Rússia entrou na Organização Mundial do Comércio e trouxe empresários todos os anos para um fórum semelhante a Davos em São Petersburgo para divulgar o país como um mercado emergente atraente. Empresas de automóveis estrangeiras, varejistas, restaurantes e gigantes de bens de consumo disponibilizaram mais itens e serviços para os russos.

Mas agora uma grande ruptura está reordenando esse mundo.

A lista de empresas internacionais que cortam laços com a Rússia continuou a crescer, com as empresas de contabilidade KPMG e PwC anunciando que estão deixando o país e Mastercard e Visa dizendo que deixarão de oferecer suporte a cartões emitidos por bancos russos. De acordo com uma lista compilada pela Yale School of Management, cerca de 300 empresas suspenderam suas operações ou deixaram o mercado desde que Putin anunciou a invasão.

BP, Shell e ExxonMobil disseram que abandonarão investimentos multibilionários em energia. Bancos e companhias de seguros em todo o mundo estão cortando transações com contrapartes russas. Fabricantes de chips de computador, companhias de navegação e uma série de exportadores estão interrompendo as entregas à Rússia para cumprir as sanções. As nações ocidentais estão fechando seus portos para navios russos. Os varejistas europeus estão fechando lojas na Rússia e a Microsoft e a Apple estão suspendendo as vendas no país. A Starbucks disse na terça-feira que interromperia todas as atividades comerciais na Rússia, e a Coca-Cola também suspendeu seus negócios no país.

A colaboração cultural da Rússia com o Ocidente também está sendo cortada. As elites culturais de Moscou e São Petersburgo, em muitos casos, fugiram para o exterior. O Garage Museum de Moscou parou de trabalhar em suas exposições devido à guerra na Ucrânia. O diretor artístico da Fundação V-A-C, que supervisiona o novo centro de artes GES-2 de Moscou, renunciou, assim como o vice-diretor do Museu Pushkin.

Efeitos na classe alta

Os maiores críticos de Putin na Rússia - que tendem a ser da classe alta urbana - podem, ironicamente, experimentar o isolamento mais profundamente do que outros russos, já que o país se vê cada vez mais isolado do Ocidente, disse Richard Connolly, professor que estuda o Economia russa na Universidade de Birmingham, no Reino Unido.

"O eleitorado que está mais alinhado com nossa visão de mundo é aquele que vai sofrer o pior", disse Connolly. "A pessoa comum que trabalha em uma fábrica de tratores de Chelyabinsk ainda estará trabalhando e terá acesso às coisas que tinha antes."

Ele observou que a Rússia não está sendo isolada do mundo, mas relegada a um bloco comercial liderado por Pequim. A China não anunciou sanções à Rússia e pode intervir para onde muitas empresas internacionais fugiram, mas também "extrairá um preço" por apoiar a Rússia com bens e investimentos, disse Connolly. A Turquia também não aderiu às sanções.

A retirada em massa do mercado russo por empresas internacionais veio junto com o aumento da repressão do Estado.

As autoridades prenderam milhares de russos que tentaram protestar contra a guerra. Na sexta-feira, Putin assinou uma lei que ameaça com até 15 anos de prisão quem publicar notícias "falsas" sobre o que o Kremlin chama de "operação militar especial" na Ucrânia, desferindo um golpe devastador nos últimos vestígios da mídia independente russa e provocando muitos jornalistas a deixar o país.

O regulador de comunicações da Rússia vem pressionando os gigantes da tecnologia, anunciando na semana passada que bloquearia completamente o acesso ao Facebook. O Twitter relatou que usuários russos enfrentam dificuldades para acessar seus serviços, mas a empresa diz que sua plataforma não foi totalmente bloqueada e o YouTube continua disponível. O TikTok, que é muito popular na Rússia, suspendeu a transmissão ao vivo e os uploads de vídeos devido a preocupações com a nova lei sobre o que o Kremlin considera notícias "falsas" sobre a guerra.

"Na União Soviética, esse isolamento foi desenvolvido ao longo de anos, senão décadas. Levou muito tempo", disse Andrei Soldatov, jornalista russo que se concentra nos serviços de segurança e na Internet do país. "Agora, o que torna isso único é que Putin quer construir o controle de informações em questão de dias."

Tentativas de romper o isolamento

Assim como o contrabando provavelmente florescerá à medida que o mercado russo cambaleia, os usuários sofisticados da Internet provavelmente encontrarão maneiras de continuar acessando o conteúdo bloqueado. Muitos já estão se voltando para redes privadas virtuais, ou VPNs, embora não esteja claro por quanto tempo essa abordagem funcionará.

Os três aplicativos não relacionados a jogos mais baixados na Rússia da Apple e do Google de 24 de fevereiro a 6 de março foram dois aplicativos de VPN e o serviço de mensagens Telegram, de acordo com a empresa de inteligência digital Sensor Tower.

Entre essas datas, o Telegram foi instalado mais de 1 milhão de vezes na Rússia, enquanto o aplicativo de mensagens seguras Signal teve 223.000 instalações, de acordo com a Sensor Tower.

Êxodo russo

Um contingente considerável de russos fugiu do país. Entre 20.000 e 25.000 russos entraram na Geórgia nos últimos dias, disse o ministro da Economia do país, Levan Davitashvili, na segunda-feira.

Um executivo ocidental de uma empresa europeia que está fechando seu escritório em Moscou disse que vários de seus colegas russos pegaram pouco mais do que seus casacos e passaportes nos últimos dias e se dirigiram ao aeroporto para pegar qualquer voo internacional que pudessem.

Alguns desembarcaram em Dubai ou Istambul com algumas centenas de dólares no bolso e pouca ideia de como vão sobreviver, disse ele, falando sob condição de anonimato por razões de segurança.

"Eles estão horrorizados com o que está acontecendo com a Ucrânia. Alguns estão saindo porque simplesmente não querem ter nada a ver com isso", disse o executivo. Rumores de que o Kremlin declarou lei marcial e fechou as fronteiras, disse ele, também "aterrorizaram absolutamente as pessoas". Até agora, Moscou não impediu que os russos saíssem.

Uma jovem profissional de Moscou estava visitando Dubai quando a invasão começou. Em vez de voltar para casa como planejado, viajou com a família para a Itália, onde planejam ficar por tempo indeterminado. Eles já tinham documentos de residência e um lugar para ficar na Itália por meio de seu pequeno negócio, disse a mulher, falando sob condição de anonimato porque espera retornar à Rússia algum dia.

Ela disse que conhece cerca de 50 outros russos que fugiram nos últimos dias. Muitos deles, disse ela, carecem de recursos financeiros suficientes para viver no exterior.

Ela está preocupada com seus pais na Rússia e os aconselhou a comprar medicamentos para um ano, caso haja escassez.

"Eu sou sortuda. Eu tinha contas [bancárias] estrangeiras", disse ela. "Meu pensamento era que eu estaria preparada para o futuro, e então o futuro vem com pressa, em um clique."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.