União Europeia pede diálogo e reconciliação entre Sérvia e Kosovo

Chefe da diplomacia do bloco se oferece para facilitar as conversas entre Pristina e Belgrado

Efe e Associated Press

22 de julho de 2010 | 15h46

BRUXELAS - A União Europeia está pronta para ajudar a Sérvia e Kosovo a dialogar para resolver suas diferenças e ajudar ambos a ingressas no bloco, disse nesta quinta-feira, 22, a chefe de política externa europeia, Catherine Ashton.

 

Veja também:

linkONU declara legal a independência de Kosovo

linkAutoridades de Pristina comemoram decisão

linkRússia não reconhece independência kosovar

linkSérvia 'nunca reconhecerá Kosovo', diz chanceler

linkEUA apoiam independencia de Kosovo

 

A declaração da chefe da diplomacia da União Europeia foi feita no mesmo dia em que a Corte Internacional de Justiça (CIJ) julgou legal a independência de Kosovo em relação à Sérvia, declarada unilateralmente em 2008, embora não reconhecida por Belgrado ou Moscou.

 

Catherine pediu que ambos os governos trabalhem para melhorar as relações. "A União Europeia está pronta para facilitar o processo do diálogo entre Pristina e Belgrado. O diálogo deve promover a cooperação, o progresso em prol da Europa e a melhora da vida de suas populações", disse ela em um comunicado.

 

Tanto a Sérvia quanto Kosovo planejam o ingresso na União Europeia, mas devem realizar várias reformas antes de entrar para o bloco, o que pode levar anos. "Boas relações entre vizinhos, cooperação regional e diálogo são as bases nas quais a União Europeia foi construída", disse Catherine.

 

Parlamento

 

Na mesma linha do discurso de Catherine, o presidente do Parlamento Europeu, Jerzy Buzek, afirmou que a decisão da corte sobre a legalidade da independência do Kosovo deve servir para a "reconciliação". Segundo ele, ambas partes "devem ver a sentença como um instrumento para a reconciliação ao invés de uma desculpa para prolongar a disputa diplomática", disse.

 

Buzek pediu aos líderes de Belgrado e Pristina que entrem em acordo para alcançar uma "solução operacional e duradoura" no interesse das pessoas dos Bálcãs. Para ele, "a reconciliação nos Bálcãs não chegará no final pelas mãos dos tribunais, mas quando os habitantes viverem e se movimentarem em paz" na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.