Urânio apreendido na Eslováquia era altamente enriquecido

Polícia confirma que material encontrado com três detidos na quinta-feira tem quase 100 vezes mais radiação

Efe e Associated Press,

30 de novembro de 2007 | 11h32

A polícia da Eslováquia confirmou nesta sexta-feira, 30, que os isótopos de urânio 235 e 238 encontrados na última quarta-feira no país era altamente enriquecido, chegando a 99,9%. O urânio foi confiscado durante a prisão de dois suspeitos no extremo leste da Eslováquia, e de um terceiro na Hungria.   O urânio é considerado enriquecido quando contém mais de 20% de urânio-235, ou a forma físsil do elemento. Para ser usado em armamentos, no entanto, o material deve conter no mínimo 85% de urânio-235. Já o urânio-238 é uma forma mais fraca do isótopo.   As radiações do material na proximidade do detector representam 100 vezes o seu valor normal, segundo declarou em Bratislava o porta-voz policial Martin Korch. "Este material é ainda mais perigoso porque se encontra em pó e, segundo as análises preliminares, pode ser utilizado para fabricar bombas sujas, utilizadas em diversas modalidades de atos terroristas", advertiu Michal Opcik, vice-presidente da Direção Geral de Polícia, em entrevista coletiva.   O valor da negociação, que não chegou a ser concluída, era de US$ 1,3 milhão. Acredita-se que este urânio possa provir da Ucrânia, mas isto ainda não está confirmado, assim como os supostos compradores do material radioativo.   As prisões elevaram a preocupação de que o Leste Europeu torne-se uma fonte de material radioativo para a fabricação de "bombas sujas" - tipo de artefato em que explosivos comuns são usados para espalhar radiação. A região, que no passado foi área de influência da União Soviética, é rica em centros de pesquisa nuclear desativados.   A fronteira da Eslováquia com a Ucrânia é o ponto mais a leste da União Européia. O bloco tem gastado nos últimos anos milhões de dólares para enrijecer a segurança na tentativa de impedir que terroristas e quadrilhas de criminosos contrabandeiem armas, explosivos e outros materiais para dentro da UE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.