Van Rompuy é nomeado premiê da Bélgica após acordo de coalizão

O rei Albert nomeou o democrata cristão flamengo Van Rompuy como primeiro-ministro da Bélgica na terça-feira para chefiar a coalizão de cinco partidos em um país à beira da recessão e da crise bancária. Van Rompuy substitui seu colega de partido Yves Leterme, que deixou o cargo em 19 de dezembro sob alegações de influência política no resgate do banco Fortis. "O rei recebeu o Sr. Herman Van Rompuy esta tarde no Chateau de Laeken e o nomeou primeiro-ministro", disse um comunicado do palácio. Uma cerimônia de inauguração deveria ocorrer em seguida e um voto de confiança parlamentar deverá acontecer na sexta-feira. Os cinco partidos do governo de Leterme renovaram a coalizão após um encontro de três horas na terça-feira. Van Rompuy deve manter o plano de seu predecessor de combate à iminente recessão causada pela crise financeira global. Ministro das Finanças de 1993 a 1999, Van Rompuy, de 61 anos, reduziu drasticamente a dívida pública em seu primeiro ano no cargo. Sua outra importante tarefa será resolver o desastre do Fortis. Os acionários do banco venceram uma apelação na Justiça neste mês, congelando a divisão do grupo pelos governo da Holanda, Luxemburgo e Bélgica e a venda dos bens do Fortis para BNP Paribas. O governo de Letterme planejou um pacote de medidas de 2 bilhões de euros para incentivar o crescimento, incluindo corte nos impostos, redução de custos de energia e aceleração de projetos de infra-estrutura. Mas o governo caiu quando a Suprema Corte disse haver indicações claras de favorecimento em uma decisão da corte sobre o resgate ao Fortis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.