Vaticano diz que investigação de fraude em banco é 'mal-entendido'

Santa Sé diz que sua instituição financeira está disposta a colaborar com as investigações

Reuters

23 de setembro de 2010 | 10h07

PULLELLA - O Vaticano anunciou nesta quinta-feira, 23, que um "mal-entendido" entre bancos foi a causa da investigação do Banco do Vaticano pelas autoridades italianas. A suspeita é de lavagem de dinheiro.

O Vaticano também disse que seu banco, conhecido como o Instituto para as Obras Religiosas (IOR), estava comprometido com a "transparência total" e está trabalhando para assegurar a inclusão na "Lista Branca" dos estados que estão de acordo com os padrões internacionais para bancos.

O Vaticano resumiu sua defesa em uma carta enviada ao diário Financial Times e distribuída por sua assessoria de imprensa a jornalistas em Roma, visando defender a imagem da Santa Sé e de seu banco.

"O atual problema foi causado por um mal-entendido -- que está sendo examinado -- entre o IOR e o banco que recebeu o pedido de transferência", disse na carta o porta-voz e padre Federico Lombardi.

Na terça-feira, magistrados de Roma colocaram as duas principais autoridades do IOR, o presidente Ettore Gotti Tedeschi e o diretor-geral Paolo Cipriani, sob investigação e congelaram 23 milhões de euros (US$ 30,21 milhões) de seus fundos na Itália.

Duas transferências recentes da conta do IOR em um banco italiano foram consideradas suspeitas pela polícia financeira e então bloqueadas. Uma transferência era de 20 milhões de euros para uma sucursal alemã de um banco norte-americano, e outra, de 3 milhões de euros a um banco italiano.

A carta de Lombardi deixou clara a profunda irritação do Vaticano com o fato de os juízes terem tornado pública a investigação. "A natureza e os objetivos das transações estão sob investigação e poderiam ser esclarecidas com grande simplicidade", disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
VaticanobancosBanco do Vaticano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.