Vaticano rejeita críticas da Irlanda sobre abusos de crianças

O Vaticano rejeitou no sábado acusações do parlamento da Irlanda de que teria tentado acobertar casos de abuso de crianças por padres e boicotar leis de proteção infantil.

REUTERS

03 Setembro 2011 | 09h39

Em sua primeira resposta formal à repreensão do parlamento irlandês, o Vaticano afirmou estar "pesaroso e envergonhado" com o abuso de crianças por padres, mas acrescentou que as acusações são "infundadas" .

"A esse respeito, a Santa Sé deseja deixar bem claro que não dificultou ou tentou interferir em nenhuma investigação sobre os casos de abuso sexual a crianças na diocese de Cloyne", afirmou o Vaticano em comunicado.

"Ademais, em nenhum momento a Santa Sé tentou interferir na legislação irlandesa ou impedir que a autoridade civil exercesse sua autoridade."

Em julho, o parlamento irlandês passou uma moção censurando a Santa Sé por "minar o marco de proteção infantil" depois que uma carta a bispos irlandeses pareceu minimizar as normas do país sobre como reportar casos de abuso infantil.

A acusação foi feita em um relatório sobre abuso sexual infantil por padres na diocese de Cloyne, no condado de Cork.

Mais conteúdo sobre:
VATICANOABUSOIRLANDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.