Vaticano se surpreende com fechamento de embaixada irlandesa

A decisão surpreendente da Irlanda de fechar sua embaixada no Vaticano foi um grande golpe para o prestígio da Santa Sé e pode influenciar outros países que consideram suas missões muito caras a fazer o mesmo, disseram fontes diplomáticas nesta sexta-feira.

PHILI, REUTERS

04 de novembro de 2011 | 12h20

O fechamento abalou ainda mais as relações entre a Irlanda e o Vaticano -- que foram aliados firmes no passado -- depois do conflito no começo do ano sobre a maneira com que a Igreja da Irlanda lidou com casos de abuso sexual e acusações de que o Vaticano encorajou que fosse mantido segredo.

A Irlanda agora será o único grande país da antiga tradição Católica sem uma embaixada no Vaticano.

"Isto é muito ruim para o Vaticano porque a Irlanda é o primeiro grande país católico a fazer isso e por causa da importância do catolicismo na história irlandesa", disse uma fonte diplomática do Vaticano, que não quis ser identificada.

A fonte afirmou que a Irlanda informou o Vaticano pouco antes de o anúncio oficial ser feito, na noite de quinta-feira.

O Ministério de Relações Exteriores da Irlanda disse que a embaixada foi fechada porque "não traz retorno econômico" e que as relações continuariam com um embaixador em Dublin.

Segundo a fonte, o Vaticano ficou "extremamente irritado" com o fato de o anúncio relacionar missões diplomáticas com retorno econômico, particularmente porque o Vaticano vê seu papel diplomático como o de promoção de valores humanos.

Diplomatas disseram que a decisão irlandesa pode influenciar outros a fazer o mesmo para economizar dinheiro, já que a presença diplomática dupla em Roma é cara.

Em julho, o Vaticano tomou a decisão muito rara de chamar de volta seu embaixador na Irlanda depois que o primeiro-ministro, Enda Kenny, acusou a Santa Sé de obstruir as investigações de abuso sexual por padres.

O Parlamento irlandês aprovou uma moção lamentando o papel do Vaticano em "minar as estruturas de proteção infantil" depois da publicação de um relatório sobre a Diocese de Cloyne.

O relatório Cloyne afirmava que clérigos irlandeses esconderam das autoridades o abuso sexual de crianças por padres, alguns recentes até 2009, depois que o Vaticano menosprezou as diretrizes irlandesas de proteção infantil em uma carta a bispos da Irlanda.

Embora o chanceler irlandês, Eamon Gilmore, tenha negado que o fechamento da embaixada estivesse ligado ao conflito sobre abuso sexual, diplomatas baseados em Roma disseram acreditar que isso provavelmente teve grande influência na decisão.

Tudo o que sabemos sobre:
VATICANOIRLANDAEMBAIXADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.