Vaticano terá de decidir destino de ordem religiosa fundada por pedófilo

O padre Marcial Maciel, fundador da Legião de Cristo, abusou de seminaristas e teve ao menos um filho

25 de abril de 2010 | 17h21

Associated Press

 

Na foto de 2004, João Paulo II dá a benção ao padre Marcial Maciel

 

NOVA YORK- Um dos próximos testes para Bento XVI na crescente crise de abusos sexuais cometidos por clérigos é decidir o destino de uma ordem religiosa cujo fundador, o padre Marcial Maciel, teve ao menos um filho e abusou de jovens seminaristas.

 

Veja também:

linkReino Unido pede desculpa a Bento XVI por piada

 

Os resultados de uma investigação à Legião de Cristo realizada por ordem do papa no ano passado serão divulgados em breve, no momento em que a igreja enfrenta uma grande pressão para confrontar os abusos.

 

O caso é mais complexo para Benedito XVI e seus aliados que o simples ato de descobrir o que Maciel fazia. Mesmo que os representantes da legião insistam que ficaram sabendo dos atos de Maciel apenas agora, muitos críticos suspeitam de que vários sabiam que seu fundador abusava de meninos e tinha famílias com mulheres, mas não fizeram nada a respeito.

 

Maciel, que morreu em 2008 aos 87 anos, havia preparado muitos dos líderes da legião para assumir seu posto. O atual diretor geral, o padre Alvaro Corcuera, fez companhia à Maciel em seu leito de morte.

 

"Se o papa tem verdadeiramente a intenção de lidar com a crise, pelo menos teria que retirar toda a cúpula da legião", disse Jason Berry, coautor do livro Vozes do Silêncio, sobre as tentativas das vítimas de convencerem o Vaticano de empreender ações contra Maciel.

 

"Esta é uma operação radical, está retirando muita podridão. Me pergunto se o papa e os homens que o rodeiam entendem de verdade o que é esta organização", completou.

 

O arcebispo de Denver, Charles Chaput, um dos investigadores que designou o Vaticano para avaliar a Legião, rechaçou fazer declarações a respeito do caso.

 

A Legião de Cristo foi fundada no México em 1941 e sua base se construiu em torno de Macial. A fotografia do padre adornava cada edifício dos legionários, sua biografia e escritos eram estudados por seus integrantes e até seu aniversário era um dia festivo para eles.

 

Até pouco tempo, os integrantes da legião tinham o voto de não fazerem críticas a seus superiores, inclusive a Maciel.

 

A ordem religiosa diz contar com mais de 800 sacerdotes e 2.500 seminaristas em 22 países, junto com 70.000 integrantes de seu ramo secular, a Regnum Christi.

 

A rede internacional dos Legionários de Cristo inclui organizações não lucrativas, seminários religiosos, escolas primárias e secundárias, assim como universidades no México, Itália e outras partes do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.