Veículos são incendiados em tumultos nos subúrbios de Paris

Jovens manifestam contra morte de um entregador de pizza; nove foram detidos no segundo dia de confusão

Agência Estado e Associated Press,

11 de agosto de 2009 | 12h18

Oito carros e um ônibus foram incendiados por jovens em um subúrbio de Paris, nesta terça-feira, 11, no segundo dia de violência iniciada após a morte de um adolescente na cidade de Bagnolet. Os tumultos, entretanto, aparentemente diminuíam na cidade, com menos estragos que na madrugada anterior.

 

Nove pessoas foram detidas durante a confusão, segundo a porta-voz da administração regional. Segundo a funcionária, a situação estava "relativamente calma" em comparação com a noite anterior, quando 29 carros foram queimados e jovens lançaram coquetéis molotov contra policiais.

 

O descontentamento explodiu quando um entregador de pizza de 18 anos morreu em um acidente, após fugir de uma blitz policial na noite de domingo. Os distúrbios na noite anterior fizeram com que a polícia enviasse 40 vans de agentes antidistúrbio ao projeto habitacional, na noite de segunda-feira.

 

Um helicóptero sobrevoava a área na madrugada desta terça-feira, enquanto grupos de jovens fugiam da polícia, em um jogo de esconde-esconde típico dos distúrbios nos subúrbios franceses. Grupos atearam fogo em ruas e lançaram pedras e outros objetos na polícia.

 

Para os moradores da área, a turbulência lembrou os distúrbios de 2005, que se espalharam por todo o país. Naquela ocasião, o detonador da violência foi a morte de dois jovens, eletrocutados em uma central de energia quando tentavam se esconder da polícia. As mortes de 2005 ocorreram a alguns quilômetros de Bagnolet.

 

"Eu acho que isso tem mais a ver com os distúrbios de 2005", avaliou a moradora Nejla Hatit, dizendo que aquilo não era normal naquela área. "Eles querem fazer a mesma coisa, para mostrar que Bagnolet também é uma cidade em rebelião."

 

As tensões com a polícia são antigas nos subúrbios franceses, que sofrem com a pobreza, o desemprego e a raiva pela discriminação contra as populações locais, em grande parte árabes e negras.

 

No caso da morte do jovem de Bagnolet, algumas testemunhas afirmam que um carro de polícia atingiu o jovem motociclista. Promotores regionais, porém, afirmaram não haver indício desse choque entre veículos. Foi ordenada uma investigação policial para apurar a morte.

Bombeiros trabalham para apagar o fogo dos veiculos. Foto: Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.