Vice-líder da centro-esquerda descarta novas eleições na Itália

O vice-líder do Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, rejeitou discussões sobre novas eleições na Itália nesta segunda-feira e disse que sua coalizão deve conquistar maioria na câmara baixa e que terá a responsabilidade de tentar formar um governo, apesar do impasse no Senado.

Reuters

25 de fevereiro de 2013 | 19h19

A coalizão de centro-esquerda tem uma ligeira vantagem na disputa pela câmara baixa, de acordo com projeções de emissoras de TV, e o vice-líder do PD Enrico Letta afirmou que é legítimo esperar que o vencedor na Câmara dos Deputados fique com a tarefa de formar um governo.

"Quem quer seja, terá a responsabilidade de fazer as primeiras propostas para o chefe de Estado", disse ele. Depois da contagem final dos votos, o presidente italiano, Giorgio Napolitano, terá a tarefa de nomear alguém para tentar formar um governo.

Letta também descartou uma nova eleição, dizendo que "voltar à votação imediatamente não parece hoje ser a melhor opção a seguir".

As projeções mais recentes indicam que nenhum partido ou coalizão tem apoio suficiente para formar uma maioria no Senado, o que um governo precisaria para aprovar as leis.

(Reportagem de James Mackenzie e Naomi O'Leary)

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIAELEICAOLIDER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.