Vida amorosa de Sarkozy vira novela, mistura sexo e diamantes

A vida sentimental do presidente francês,Nicolas Sarkozy, virou uma novela recheada de sexo, jóias eciúme, depois da história de que ele deu à nova namorada, CarlaBruni, um anel parecido ao que deu à ex-mulher Cecilia. E três novos livros estão deixando bem claro que Ceciliavoltou à vida pública com força total depois do divórcio,consumado em outubro. Fotos do presidente de 52 anos de férias, de óculos escurose colar de ouro, abraçando a ex-modelo, dez anos mais nova queele, dominam as revistas de personalidades, e os jornaisdedicam suas primeiras páginas ao presidente e à glamourosanamorada italiana. Sarkozy, que assumiu o cargo em maio prometendo umrompimento com o passado, já disse que quer ser aberto emrelação ao relacionamento com Carla Bruni, com quem já deuindicações de que quer se casar. Mas os livros recém-lançados sugerem que a ex-primeira-damaCecilia, 50, não saiu de cena. "Cecilia acha sem nenhuma dúvidaque Carla Bruni não é necessariamente aquela que o fará seesquecer dela", disse Yver Derai, autor de "Ruptures", àrevista VSD. Para pôr mais fogo na fogueira da disputa entre as duasmorenas, que são bem parecidas, Cecilia também foi modelo, arevista Gala disse que Sarkozy deu a Carla Bruni o mesmo tipode anel em forma de coração que a ex-mulher foi vista usando noano passado. A ex-primeira-dama foi citada descrevendo Sarkozy em termosnada favoráveis no livro "Cecilia," que também deve ser lançadoesta semana. Mas seu advogado já disse que ela tomou medidaslegais para impedir sua publicação. Os três livros descrevem Cecilia como uma mulher poderosaque continuou influenciando Sarkozy mesmo depois da separação.Segundo Derai e o co-autor Michael Darmon, ela entregou aoex-marido uma lista com "tudo que ele devia realizar e evitarse quisesse ter sucesso em seus cinco anos de mandato". Cecilia teve uma participação importante na libertação defuncionários do serviço de saúde na Líbia no ano passado.Segundo o livro "Ruptures", Cecilia não tem dúvidas sobre seupapel. "Vou continuar sendo a única que ele escuta", disse ela,segundo os autores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.