Efe
Efe

Villepin é inocentado de acusações de calúnia e falsificação

Ex-premiê da França era acusado de participar do 'caso Clearstream' para difamar presidente Sarkozy

Efe e Associated Press,

28 de janeiro de 2010 | 09h58

O ex-primeiro-ministro da França, Dominique de Villepin, foi absolvido nesta quinta-feira, 28, das acusações por ter participado do "caso Clearstream", quando teria tido papel em uma campanha para prejudicar o atual presidente francês, Nicolas Sarkozy, e outros políticos.

 

O Tribunal Correcional de Paris estimou em seu veredicto que Villepin não conhecia de antemão a falsidade do documento que apresentou a Jean-Louis Gergorin, principal condenado no caso. Foi decidido que não havia razão para condenar Villepin, de 56 anos, por cumplicidade na calúnia contra Sarkozy, em 2004. Na época, os dois políticos disputavam quem seria o sucessor do então presidente da França, Jacques Chirac. Sarkozy era então ministro das Finanças.

 

Os advogados de Villepin haviam alegado que o ex-premiê era inocente quanto às acusações de calúnia e falsificação de documentos. A promotoria havia recomendado à Corte uma sentença de 18 meses de suspensão das atividades políticas e uma multa de cerca de US$ 67 mil dólares.

 

Villepin era um dos maiores adversários políticos de Sarkozy, mas as acusações o retiraram temporariamente da política. Acredita-se que uma vitória judicial de Villepin pode melhorar sua chance de voltar à política, talvez mesmo buscando a presidência em 2012. O ex-premiê ganhou projeção mundial por sua oposição à guerra dos EUA no Iraque.

 

Sarkozy acusava o ex-primeiro-ministro de envolvê-lo em um escândalo de corrupção fabricado, usando uma lista falsa de contas bancárias. O nome do atual presidente constava de uma falsa lista de supostos beneficiários de contas do banco Clearstream, de Luxemburgo. Segundo esses documentos, que depois se mostraram falsos, Sarkozy seria um dos beneficiários de fundos milionários no exterior.

Tudo o que sabemos sobre:
VillepinpolíticajustiçaFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.