AP
AP

Vítimas de tremor na Itália terão funeral na sexta; 250 morrem

Papa Bento XVI anuncia que visitará área devastada por terremoto; região de Áquila enfrenta novos tremores

Agências internacionais,

08 de abril de 2009 | 07h31

O número de mortos no terremoto que castigou na última segunda-feira o centro da Itália já chega a 250, segundo os últimos dados divulgados pela Defesa Civil, enquanto na madrugada passada dois novos tremores foram registrados. O funeral oficial das vítimas deve acontecer nesta sexta-feira, como noticia nesta quarta-feira, 8, a imprensa local.

 

Veja também:

linkAção rápida aumenta aprovação de Berlusconi

linkOnna, o vilarejo que foi riscado do mapa

linkNão há vítimas brasileiras na Itália, diz Itamaraty

linkAutoridades ignoraram alerta de terremoto na Itália

linkPerda de patrimônio cultural amplia catástrofe em Áquila 

email Está na Itália? Envie seu relato

lista Brasileiros contam como enfrentaram o tremor

lista Cronologia: Piores tremores dos últimos anos

especialEntenda como acontecem os terremotos

mais imagens Fotos: Veja as imagens

video TV Estadão: Vídeo mostra a destruição em Áquila

 

O terremoto de magnitude 6,3 na escala Richter atingiu L'Aquila e várias cidades da região central da Itália na madrugada de segunda-feira (domingo à noite no Brasil), derrubando edifícios e reduzindo quarteirões inteiros a uma pilha de escombros e pó. Fortes réplicas - tremores de menor intensidade que sucedem ao mais intenso - têm causado mais medo aos moradores, enquanto as equipes de resgates tentam resgatar as vítimas soterradas.

 

Trata-se de réplicas do terremoto que na segunda-feira devastou a região e que chegaram a 3,5 e 3,7 graus de magnitude na escala Richter. O primeiro tremor aconteceu às 5h (meia-noite, Brasília), enquanto o segundo ocorreu às 6h27 (1h27). Desde a segunda-feira, especialistas registraram 430 tremores nessa região da Itália.

 

O ministro de Relações com o Parlamento, Elio Vito, informou no Senado sobre o número de mortos, estimado em 250, dos quais 11 ainda precisam ser identificados. Segundo ele, 11 pessoas estão desaparecidas e outras 1.179, feridas. Vito assegurou que o Conselho de Ministros declarará em breve um dia de luto nacional pelas vítimas da catástrofe e, embora não tenha antecipado, deve coincidir com o dia do funeral, previsto para a Sexta-Feira Santa.

 

O papa Bento XVI anunciou nesta quarta que visitará a região italiana de Abruzzo, abalada por um forte terremoto no final da noite do último domingo, "o mais rápido possível", segundo o texto que pronunciou durante a tradicional audiência das quartas-feiras. O pontífice acrescentou que "a solicitude com que as autoridades locais e as forças da ordem estão socorrendo estes irmãos demonstra quão importante é a solidariedade para superar algo tão doloroso". "Mais uma vez desejo dizer, queridos filhos, que o papa compartilha de suas preocupações".

 

 

Enquanto as equipes de resgate continuam as buscas por sobreviventes nos escombros, os desabrigados enfrentaram a segunda noite de baixas temperaturas. A boa notícia é que o número oficial de desabrigados é de apenas 25 mil. Na segunda-feira, estimativas mais otimistas indicavam que pelo menos 50 mil pessoas haviam perdido suas casas. Os desabrigados dividiram-se entre os que optaram por deixar a região e abrigar-se em casas de parentes e amigos em outras cidades; em um dos 4 mil quartos locados pelo governo em hotéis da Costa Adriática da Itália; ou nos dez campos de refugiados instalados pela defesa civil em estádios e ginásios.

 

Dez mil casas ou prédios foram destruídos ou afetados - entre eles um castelo do século 15 e patrimônios históricos como a Igreja Santa Maria Paganica. As primeiras estimativas do Ministério do Interior indicam um prejuízo de 1,3 bilhão de euros.

 

(Com Andrei Netto, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.