Mikhail Metzel/AP
Mikhail Metzel/AP

Yulia promete recorrer de resultado das eleições na Ucrânia

Primeira-ministra foi derrotada por uma margem pouco superior a 3 pontos pelo opositor Viktor Yanukovich

Efe,

09 de fevereiro de 2010 | 08h43

A coalizão da primeira-ministra da Ucrânia, Yulia Timoshenko, anunciou nesta terça-feira, 9, que vai à Justiça impugnar os resultados do segundo turno das eleições presidenciais, que, segundo dados preliminares, foram vencidas pelo opositor Viktor Yanukovich.

 

Eleições na Ucrânia:

linkYanukovich deve levar Ucrânia de volta à influência russa

 

"Nunca reconhecerei a legitimidade da vitória de Yanukovich com uma eleição semelhante", declarou Yulia durante a reunião de seu partido na qual foi decidido que os resultados seriam formalmente contestados, segundo o diário Ukrainska Pravda.

 

"Na noite de segunda foi tomada a decisão de impugnar os resultados por colégios eleitorais, após a exigência de uma apuração por circunscrições. Se os tribunais nos derem razão, questionaremos os resultados gerais das eleições", declarou à agência Unian a número dois da aliança governista, a deputada Elena Shestik.

 

Segundo a legisladora, a possibilidade de os resultados de muitos colégios eleitorais serem impugnados é grande, já que há provas de irregularidades. Shestik disse ainda que muitos eleitores, sobretudo no leste país, o reduto eleitoral de Yanukovich, votaram sem apresentar o título.

 

Mas apesar dos esforços para mudar o resultado do pleito, a deputada admitiu que a recontagem dos votos em algumas circunscrições não necessariamente significará a repetição do segundo turno das eleições presidenciais.

 

De acordo com a Comissão Eleitoral Central, apurados 99,94% dos votos, Yanukovich (48,94%) liderava a disputa pela Presidência, seguido de perto de Timoshenko (45,48%).

 

Apesar dos protestos da premiê, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), considerou que as eleições do último domingo foram "transparentes e honestas".

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.