Zapatero diz que prioridade da Espanha é recuperação econômica

O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, afirmou nesta sexta-feira que a recuperação da economia e a melhora do mercado de trabalho no país são as prioridades de seu governo para o próximo ano. "Devemos todos saber que 2009 será um ano difícil, mas, como país, temos força para seguir adiante... Enfrentar a crise será, ao longo do próximo ano, nossa tarefa principal e a recuperação econômica, nosso único horizonte", disse Zapatero, depois da última reunião do conselho de ministros no ano. Fazendo um balanço de 2008, oito meses depois do início de seu novo mandato, Zapatero lembrou a série de medidas econômicas tomadas para lidar com a "grave crise", que começou em setembro. Embora não tenha se arriscado a dar uma data, Zapatero se mostrou convencido que a Espanha vai superar a crise. "A Espanha é uma das economias mais fortes do mundo, com recursos públicos que outros países não têm", disse. Com base nos últimos dados oficiais, pela primeira vez em 15 anos a economia espanhola entrou em recessão no quarto trimestre do ano, registrando um declínio da atividade em 1,5 por cento, segundo dados do Ministério da Economia. Zapatero deu ênfase aos esforços para melhorar a estabilidade profissional, num momento em que o desemprego atinge três milhões de pessoas sem trabalho -- um dos níveis mais altos da União Européia e não visto há 12 anos. "O desemprego é o efeito mais pernicioso desta crise e, por isso, é a prioridade número um do governo", disse o premiê, depois de reconhecer que, nos próximos meses, haverá uma continuação da "destruição do emprego". No entanto, ele estava esperançoso quanto à melhora do mercado de trabalho a partir do segundo semestre do ano que vem e anunciou mais recursos para o auxílio- desemprego. "Temos uma esperança razoável de que, a partir da segunda metade deste ano, quando começam os projetos de investimento público previstos, pouco a pouco, teremos um horizonte diferente, algo mais favorável sobre a evolução do emprego".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.