Atentado mata ao menos 12 pessoas na capital da Tunísia

Ônibus que levava soldados da guarda presidencial foi alvo de homem-bomba em uma das principais avenidas de Túnis

O Estado de S. Paulo

24 de novembro de 2015 | 15h04

(Atualizado às 15h52) TÚNIS - Uma  homem-bomba atacou um ônibus que levava soldados da guarda presidencial tunisina em Túnis nesta terça-feira, 24. Ao menos 12 pessoas morreram, de acordo com o Ministério do Interior. Segundo fontes do governo, trata-se de um atentado, mas nenhum grupo reivindicou sua autoria ainda. 

O governo decretou estado de emergência em todo o país e ordenou um toque de recolher na capital em resposta ao atentado. Essa é a segunda vez que o governo adota esta medida depois do atentado que em 26 de junho matou 38 turistas estrangeiros em uma praia da cidade litorânea de Sousse.

Durante este tempo, as forças de segurança detiveram cerca de duas mil pessoas e anunciaram o desmantelamento de dezenas de supostas células jihadistas, algumas aparentemente prontas para atentar.

O ataque de hoje foi cometido aparentemente por um suicida que detonou uma bomba quando um ônibus com militares passava em frente à sede de antigo partido do ditador derrubado, Zine El Abidine Ben Ali, na movimentada avenida Mohammed V de Túnis.

No começo deste mês, autoridades tunisinas anunciaram o desmantelamento de uma célula terrorista que pretendia atacar delegacias e hotéis na costa de Sousse, um dos principais destinos turísticos do país. Outro atentado, em março, no Museu Bardo de Túnis deixou 22 mortos.  / REUTERS e AP


Tudo o que sabemos sobre:
terrorismoTunísia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.