AP Photo / Hassan Ammar
AP Photo / Hassan Ammar

Hezbollah anuncia apoio a protestos contra o governo no Líbano

Ministros e aliados do poderoso grupo xiita, que integra o gabinete multissectário, abandonam reunião de emergência sobre crise do lixo

O Estado de S. Paulo

25 de agosto de 2015 | 18h28

BEIRUTE - O poderoso grupo libanês xiita Hezbollah saiu em apoio aos protestos populares em Beirute nesta segunda-feira, 25, que pedem a renúncia do governo. As manifestações começaram no fim de semana com o descontentamento da população com as pilhas de lixo não recolhido nas ruas, mas converteu-se em uma demonstração de insatisfação geral contra os políticos. 

Ministros e aliados do grupo Hezbollah saíram de uma reunião de quatro horas com o gabinete libanês marcada com a intenção de discutir o agravamento da crise. O primeiro-ministro, Tammam Salam, ameaçou renunciar no domingo. A reunião foi realizada na nova sede fortificada. Na segunda-feira, sob temor de ataques, foram levantados muros de concreto em volta do prédio, que manifestantes rapidamente cobriram com coloridos desenhos antigoverno.  

O encontro, porém, não obteve resultados e o gabinete rejeitou por unanimidade as empresas vencedoras de um processo de licitação para gerenciar os serviços de lixo de Beirute, alegando custos elevados. Um comitê ministerial foi encarregado de reiniciar a licitação.

Ativistas de Beirute que lideram a campanha chamada ‘Você Fede’ realizaram duas grandes marchas no fim de semana e uma menor na segunda-feira. Os protestos que, inicialmente começaram de forma pacífica, se tornaram violentos após confrontos entre a polícia e os manifestantes. 

Em nota, o Hezbollah afirmou que apoia as manifestações, qualificando-as de “direito legítimo”.  O grupo integra o governo de partilha de poder multissectário do Líbano. Há mais de um ano, os políticos  estão paralisados  e não conseguem chegar a um consenso sobre  um presidente, cujo posto está reservado para os cristãos. De acordo com esse sistema, o primeiro-ministro deve ser um sunita e o presidente do Parlamento, um xiita.

O atual presidente do Parlamento, Nabih Berri, por sua vez, está no posto há 23 anos. O legisladores estenderam seu mandato duas vezes sem eleições e chegaram a um impasse, já que alguns deles insistem que um presidente deve ser eleito primeiro antes da troca do chefe do Legislativo. / AP e REUTERS 

Tudo o que sabemos sobre:
Líbanocrise do lixoHezbollah

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.