1,3 milhão de haitianos ainda vive em abrigos temporários, diz ONU

Nove meses após terremoto, violência aumenta e vítimas não tem acesso a serviços básicos

LUIZ RAATZ - ESTADÃO.COM.BR,

19 de outubro de 2010 | 13h57

Grande parte dos escombros ainda não foi removida. Foto: Ramon Espinosa/AP - 16/10/2010

 

SÃO PAULO - Nove meses depois do terremoto que destruiu o país, cerca de 1,3 milhão de pessoas ainda vive em acampamentos temporários no Haiti, disse o enviado independente da ONU para desabrigados, Walter Kaelin, nesta terça-feira, 19. O país tem 8 milhões de habitantes, 3 milhões deles na capital, Porto Príncipe.

"A crise humanitária do país ainda é profunda", disse Kaelin, em comunicado divulgado pelo comitê de Direitos Humanos da ONU. Segundo o enviado, o governo haitiano precisa implementar um plano para reconstruir as moradias destruídas no terremoto.

"Os desabrigados tem necessidades específicas, especialmente de abrigo", afirmou. O acesso à saúde, água, saneamento e educação também é precário.

Ainda de acordo com o enviado, a segurança dos desabrigados também preocupa. 'O estupro é um problema sério dentro e fora dos acampamentos", acrescentou.

A temporada de chuvas no país também complica a situação dos desabrigados. Ao menos dez pessoas morreram soterradas no final de semana. Desde o começo do mês, as chuvas já mataram 23 haitianos.

O país foi devastado em 12 de janeiro por um terremoto de magnitude 7 que deixou 300 mil mortos.

Tudo o que sabemos sobre:
Haititerremoto no HaitiONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.