Reprodução/ Youtube
Reprodução/ Youtube

1ª finalista para ser zeladora de ilha na Austrália é escolhida

A taiwanesa Clare Wang venceu a votação pela internet; outros dez são escolhidos e passarão por entrevista

Agências internacionais,

25 de março de 2009 | 09h07

Uma mergulhadora, praticante de escalada e intérprete de Taiwan foi primeira a escolhida na votação pela internet para o que foi considerado o "melhor emprego do mundo", ser zeladora de uma ilha paradisíaca na Austrália. Oficiais do Departamento de Turismo do Estado de Queensland anunciaram nesta quarta-feira, 25, que Clare Wang é uma das 11 finalistas o cargo para o emprego - um contrato de US$150 mil (R$235 mil; o que representa pouco menos de R$ 40 mil mensais) para relaxar na ilha paradisíaca de Hamilton enquanto escreve um blog para promover a área.

 

Veja também:

Vídeo de admissão da escolhida no Youtube

 

Clare Wang foi selecionada pelo público e recebeu 151,676 votos - quase três vezes mais do que o segundo colocado - entre os 50 finalistas. Nenhum brasileiro foi selecionado para a fase final da disputa. Cerca de 35 mil pessoas em todo o mundo se inscreveram para o cargo. Outras dez pessoas serão escolhidas pelo governo australiano e anunciadas no dia 3 de abril. Os 11 ainda passarão por entrevista na ilha em maio, quando será anunciado o vencedor. O contrato de emprego começa a valer em julho.

 

Hamilton é uma das 600 ilhas da Grande Barreira Coralina - o maior recife de coral do mundo, que abriga um complexo e diverso ecossistema. Além do blog e tirar fotos, entre as suas responsabilidades está a coleta das correspondências, alimentar tartarugas marinhas e peixes, limpar as piscinas, observar baleias e mergulhar. O governo oferece acomodação em uma casa de três quartos e sacadas com vista para o mar, além de um buggy para transporte na ilha.

 

Segundo a BBC, o emprego de seis meses está sendo oferecido como parte de uma campanha para promover o turismo no Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
Austrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.