10 mortos em ataque a consulado italiano na Líbia

Uma multidão de irados muçulmanos incendiou nesta sexta parte do edifício do consulado italiano em Bengasi, na Líbia, num incidente que provocou a morte de 10 pessoas e ferimentos em 55, informou um funcionário da representação. Forças de segurança entraram em choque com os manifestantes, tentando contê-los. Eles protestavam contra ataques desfechados contra o Islã nos últimos dias pelo ministro das Reformas Institucionais da Itália, Roberto Calderoli.Representante da xenófoba Liga do Norte, Calderoli chegou a gabar-se de ter uma camiseta com as caricaturas do profeta Maomé publicadas recentemente pela imprensa européia, que desencadearam violenta onda de protesto no mundo islâmico. Ao tomar conhecimento dos incidentes de Bengasi, o primeiro-ministro italiano, Sílvio Berlusconi, exigiu que Calderoli deixasse o ministério.Segundo a agência líbia Jana, as forças de segurança tentaram impedir que a multidão se aproximasse do prédio do consulado. "Contudo, alguns manifestantes conseguiram escapar ao cerco e penetraram no perímetro da representação diplomática, lançado contra ela coquetéis molotov", acrescentou a agência. As autoridades líbias admitiram que muitos manifestantes ficaram feridos no choque com as forças de segurança, porém não confirmaram a existência de mortos.Segundo informações da chancelaria italiana, os distúrbios ocorreram pouco depois das tradicionais orações das sextas-feiras. "As forças de segurança líbias controlam a situação", acrescentou um porta-voz da chancelaria, sem mencionar o incêndio. O consulado italiano é a única representação diplomática estrangeira existente em Bengasi.Em Roma, políticos da oposição classificaram de "irresponsável" o comportamento do ministro de Berlusconi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.