"11 de setembro foi chamada às armas", diz Bush

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse em entrevista publicada nesta segunda-feira no diário Bild, jornal de maior circulação na Alemanha, que os atentados de "11 de setembro foram uma chamada às armas"."Para mim e para muitos americanos o 11 de setembro trouxe uma mudança de mentalidade, foi uma chamada às armas", avaliou o presidente americano. "Esta foi para os Estados Unidos a primeira batalha na guerra do século XXI", completou.Bush se diz totalmente convencido de que é possível ganhar a guerra contra o terrorismo. "Se nós não tentarmos ganhar a guerra contra o terrorismo, o mundo ficará muito pior", acrescentou.Avanço da democraciaA vitória ou a derrota nessa guerra não pode ser julgada, segundo o presidente americano, pelo fato de um terrorista suicida alcançar ou não seu objetivo durante um atentado, e sim pela forma como tem avançado a democracia no mundo.Bush cita como exemplo as democracias recentes estabelecidas no Iraque e no Afeganistão, e opina que "as duas supõem uma clara derrota para os terroristas".O presidente americano considera que os mundos muçulmano e ocidental necessitam de "maior compreensão para as crenças religiosas", e que devem encontrar melhores formas de integração."Em algumas ocasiões, há em minhas mensagens sinais, que não são propositais, mas que provocam medo no mundo muçulmano", reconheceu Bush. "Não devemos deixar que extremistas islâmicos totalitários desfigurem uma grande religião", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.