11 fatos essenciais sobre armas e massacres nos EUA

Episódios de violência são recorrentes no território americano e sempre aumentam o debate sobre o acesso a armas de fogo no país

O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2015 | 07h00

O massacre no campus de uma faculdade comunitáriano Oregon, que deixou 10 mortos na primeira semana de outubro, é o incidente mais recente nos Estados Unidos relacionado à violência por uso de armas de fogo.

Só neste ano, foram 294 massacres em 274 dias, incluindo o ataque a duas instalações militares em Chattanooga, deixando 5 mortos, e à Igreja Metodista Episcopal Africana em Charleston, que deixou 9 vítimas.

Na segunda-feira, segundo o jornal britânico The Guardian, os estados de Wisconsin e Michigan propuseram a criação de leis para expandir o acesso a armamentos em campi universitários, tanto dentro dos prédios quanto nas salas de aula. A polêmica abre espaço para outras propostas a respeito do controle de acesso a armas de fogo, de acordo com o jornal The Washington Post.

Confira abaixo alguns fatos relacionados a armas e tiroteios.

Não é rara a ocorrência de massacres nos EUA

A revista esquerdista Mother Jones mapeou a ocorrência dos massacres de 1982 a maio de 2015 nos EUA, e verificou que “em ao menos 61 casos houve uso de arma de fogo”. A publicação define como massacre quando mais de três pessoas são mortas em locais públicos. Na maioria dos casos, os assassinos conseguiram obter a arma legalmente.

Quase ⅓ das famílias americanas alegam ter armas de fogo em casa

De acordo com o censo americano, apesar de ser um número em queda, 31% dos adultos alegaram ter armas de fogo em casa em 2014, o que representa 17 pontos percentuais abaixo do pico registrado de 1977 a 1980. Uma pesquisa da Pew Research Center revelou que enquanto os negros têm mais chances do que brancos de se tornarem vítimas de homicídio por arma de fogo, a probabilidade de eles terem armamentos em casa é cerca de 50% menor do que os brancos: 41% (brancos) contra 19% (negros).

Tiroteios têm se tornado mais comum nos últimos anos

Segundo um relatório divulgado pelo FBI com dados de 2000 a 2013, os tiroteios são cada vez mais frequentes nos EUA. Nos primeiros 7 anos do estudo, a média era de 6,4 incidentes por ano; nos últimos 7, o número saltou para 16,4. Esses casos se diferem dos grandes massacres pois, segundo órgãos como o FBI, deixam menos de três vítimas, excluindo-se episódios em que o homicídio foi resultado de crimes, como assaltos e brigas entre gangues.

De todos os massacres nos EUA, ao menos a metade ocorreu depois de 2007

Grande parte dos ataques mais mortais no país ocorreram nos últimos anos, incluindo os massacres na Escola Primária de Sandy Hook, em Newtown, e no instituto Virginia Tech, em Virgínia. Dentre todos os episódios de violência registrados, esses foram os que deixaram mais vítimas, 28 e 33 mortos, respectivamente.

Apesar de EUA ser um país violento, a situação já foi pior

A sociologista da Duke University, Kieran Healy, afirmou ao Washington Post que hoje o país é menos violento do que era há 40 anos, e que o número de mortos resultantes em casos de assaltos vem caindo pela metade.

O sul é a região mais violenta dos EUA

Kieran também destacou que o sul é a região mais violenta, enquanto o norte é a mais segura. Até 2008, o oeste do país era a segunda mais violenta. No entanto, a partir do ano seguinte, o centro-oeste passou a ocupar a segunda posição.

Mais armas tendem a levar a mais homicídios

O Centro de Pesquisa e Controle de Lesões de Harvard avaliou a literatura acadêmica da universidade sobre armas e homicídios, e encontrou evidências suficientes que confirmam que quanto mais armas houver, mais assassinatos ocorrerão.

Estados com leis mais rígidas registram menos mortes por armas de fogo

Em 2011, o economista Richard Florida se aprofundou na relação entre mortes por armas de fogo e outros indicadores sociais. Ele descobriu que grandes populações, alto nível de estresse, grande quantidade de imigrantes e incidência de doenças mentais não apresentam uma ligação com o número de mortes por armas de fogo. No entanto, ele percebeu que os estados com leis mais rígidas de acesso a armamentos pareciam apresentar menos mortes.

Controle de armas, de maneira geral, não é uma medida popular

Desde 1990, a empresa de pesquisa de opinião Gallup tem sondado os americanos sobre leis de controle de armas mais rígidas. “Menos da metade dos americanos, cerca de 47%, dizem que são a favor de leis mais rígidas”, diz Gallup. “Mas essa porcentagem é inferior aos 58% registrados em 2012, depois do massacre na escola da Sandy Hook, em Newtown. Cerca de 38% dos americanos afirmam que as leis deveriam ser mantidas do jeito que estão, e 14% afirmam que elas deveriam ser mais rígidas.”

Americanos são mais favoráveis a políticas particulares de controle de armas

Enquanto muitos americanos apoiam fortemente o direito de portar armas, eles também são favoráveis a restrições específicas, como checagem de histórico dos compradores e a criação de um banco de dados federal para rastrear armamentos.

A ocorrência de massacres não costuma afetar a opinião pública sobre o controle de armas

Outra pesquisa realizada pelo Pew Research Center, após o massacre em Newtown, determinou que em 2014 foi a primeira vez em mais de 20 anos que os americanos se mostraram mais favoráveis ao direito de portar armas do que ao controle delas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.