1.146 execuções de pena de morte em 28 países, em 2003

Um total de 1.146 pessoas foram executadas em 28 países, no ano passado, com China, Irã e Estados Unidos no topo da lista dos países que mais se utilizaram da pena de morte para punir crimes, segundo relatório da Anistia Internacional divulgado hoje.A organização de direitos humanos com sede em Londres divulgou seu relatório para coincidir com a reunião anual da Comissão de Direitos Humanos da ONU, que pede providências urgentes ?para por um fim a todas as execuções?.?A pena de morte é a mais cruel, desumano e degradante punição e uma rejeição flagrante ao direito à vida?, diz a Anistia.Os números de 2003 apresentam uma redução em relação às 1.526 execuções de 2002 e são quase metade das do ano anterior, quando a China estava engajada em sanções severas contra o crime e, sozinha, executou pelo menos 2.468 pessoas.?O grande número de execuções é responsabilidade, na verdade, de um número muito pequeno de países?, disse a porta-voz Judit Arenas. ?Oitenta e quatro por cento das execuções, em 2003, foram comandadas por apenas quatro países.?Durante o ano passado, sabe-se que a China aplicou a pena de morte a 726 pessoas, ?mas o número real deve ser muito maior?, afirmou Arenas. Em 2001, a Anistia havia relatado 1.060 execuções no país.O Irã vem em segundo lugar, com pelo menos 108 execuções, seguido pelos Estados Unidos, com 65, Vietnã, com 64 e Arábia Saudita, 50.Segundo Arenas, o número de países que aboliram a pena de morte subiu para 77 no ano passado, quando Samoa e Butão se juntaram a eles.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.