116 brasileiros que viviam na Líbia estão a caminho do País; 4 já voltaram

Grupo de quadro brasileiros fizeram escala em Lisboa após acordo com governo português

estadão.com.br

24 de fevereiro de 2011 | 09h13

SÃO PAULO - Os quatro primeiros brasileiros  que saíram da Líbia já chegaram ao Brasil nesta quinta-feira, 24, enquanto a retirada de outros cidadãos do país, abalado por uma revolta popular, continua. .  Um avião da construtora Odebrecht, com 116 pessoas, deixou a Líbia chegou a Malta, no Mediterrâneo.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

 

 

O voo fretado pela Odebrecht levou também quatro funcionários da Petrobrás e três de seus familiares. Esse foi o primeiro dos três voos que a empresa brasileira anunciou para retirar funcionários e seus familiares do país norte-africano, palco de protestos contra o regime do líder Muamar Khadafi desde 15 de fevereiro.

 

Segundo informações da assessoria de imprensa da Odebrecht, estavam no primeiro voo, que chegou a Malta às 10h (hora de Brasília), todos os 107 funcionários brasileiros da empresa e seus familiares, além de sete brasileiros que trabalham para a Petrobras em Trípoli.

 

Também estavam na aeronave outros 332 funcionários da empresa de outras 23 nacionalidades.  Permanecem na Líbia 2,7 mil empregados da Odebrecht, segundo a empresa. 

 

Em São Paulo 

 

Já o grupo que chegou ao Brasil voltou em um voo que  fez escala em Lisboa, pois os governos brasileiro e português entraram em acordo para a retirada conjunta do grupo, já que todos trabalham para uma filial portuguesa da construtora brasileira Andrade Gutierrez.

 

De acordo com informações da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), eles desembarcaram às 7 horas no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos.

 

Navio grego

 

Ao mesmo tempo, está a caminho de Benghazi, no norte da Líbia, um navio cuja missão é buscar 148 brasileiros que estão na cidade, a maioria deles funcionários da construtora Queiroz Galvão.

A Embaixada do Brasil na Grécia - de onde partiu o navio - informou à BBC Brasil que, até a manhã desta quinta-feira (horário de Brasília), não tinha tido notícias da embarcação, mas que não havia preocupações quanto à atracagem em Benghazi.

 

A maior preocupação era com o mau tempo - tem chovido na região, segundo a embaixada.

Ainda assim, a expectativa é de que os 148 brasileiros, que embarcarão no navio acompanhados de espanhóis, portugueses e um tunisiano, cheguem ao porto grego de Pireu na sexta-feira pela manhã.

   

Em comunicado, o embaixador do Brasil na Líbia, George Ney de Souza Fernandes, informou que está mobilizando todos os funcionários num esforço para ajudar os brasileiros que residem no país. Segundo a Embaixada, os contatos podem ser feitos através de internet e telefone, ou pessoalmente, e que as providências estão sendo tomadas para retirar do país aqueles que assim desejarem.

 

Com BBC Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
Líbiabrasileirosconfrontos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.